21:30 10 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    COVID-19 no mundo no início de janeiro de 2021 (75)
    227
    Nos siga no

    O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse nesta terça-feira (5) que está "muito decepcionado" com o fato de a China ainda não ter autorizado a entrada de uma equipe de especialistas internacionais para examinar as origens do novo coronavírus no país.

    Segundo Adhanom, uma equipe de dez profissionais deveria partir no início de janeiro para a China como parte de uma missão para investigar os primeiros casos de COVID-19, relatados inicialmente há mais de um ano, em Wuhan.

    "Hoje soubemos que as autoridades chinesas ainda não finalizaram as permissões necessárias para a chegada da equipe à China", disse o diretor-geral da OMS, em entrevista coletiva on-line transmitida de Genebra, na Suíça.

    Dois membros desta missão da OMS já partiram para a China. De acordo com a Reuters, Peter Ben Embarek, o maior especialista da OMS em doenças infecciosas com origem em animais, é quem deve liderar a equipe de profissionais. Embarek foi à China em uma missão preliminar em julho de 2020.

    "Estou muito desapontado com as notícias. [...] Estive em contato com altos funcionários chineses e mais uma vez deixei claro que a missão é uma prioridade para a OMS. Confiamos e esperamos que seja apenas uma questão logística e burocrática que pode ser resolvida muito rapidamente", disse Adhanom.
    Agentes de saúde atendem um paciente no Hospital Zhongnan da Universidade de Wuhan, Hubei, China (foto de arquivo)
    © AP Photo / Xiong Qi
    Agentes de saúde atendem um paciente no Hospital Zhongnan da Universidade de Wuhan, Hubei, China (foto de arquivo)

    Pequim vem tentando rebater as afirmações de que o novo coronavírus surgiu na China. O ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, declarou recentemente que "mais e mais estudos" mostram que a COVID-19 surgiu em surtos separados ao redor do mundo.

    Shi Zhengli, vice-diretora do Instituto de Virologia de Wuhan (IVW), afirmou que o laboratório em Wuhan não tem "nada a esconder" e convidou a OMS a inspecionar as instalações do local.

    Outros países, no entanto, pressionam a China. Nesta segunda-feira (4), os Estados Unidos disseram ter um "conjunto crescente de evidências" que mostram que a COVID-19 teve origem no laboratório de Wuhan.

    Em maio, quando a COVID-19 já tinha infectado a maior parte dos países do mundo, serviços de inteligência de potências ocidentais, como EUA, Canadá e Reino Unido, criaram um dossiê acusando a China de conhecer o vírus antes de reconhecer sua existência para o mundo.

    Tema:
    COVID-19 no mundo no início de janeiro de 2021 (75)

    Mais:

    OMS pede distribuição justa da vacina contra COVID-19 entre todos os países
    OMS recomenda vacina contra coronavírus da Pfizer e BioNTech para uso urgente
    Coronavírus: China suspende importação de carne suína de unidade da Aurora em Santa Catarina
    'Sem temer': Xi Jinping ordena que Exército chinês esteja pronto para combate 'a qualquer segundo'
    China começará a construir sua 1ª estação espacial como parte de planos ambiciosos
    Tags:
    Estados Unidos, novo coronavírus, pandemia, Wuhan, COVID-19, China, OMS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar