18:40 18 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    7499
    Nos siga no

    Após ex-ministro da Defesa britânico anunciar envio do porta-aviões HMS Queen Elizabeth ao mar do Sul da China, Pequim criticou a OTAN e disse que tomará medidas contra violação de soberania.

    O envio do porta-aviões britânico ao oceano Pacífico deverá ocorrer no contexto de sua primeira missão operacional.

    Ainda em fevereiro de 2019, o ex-ministro da Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson, revelou que tal missão incluiria passagem pelo mar do Sul da China, "fazendo o Reino Unido global uma realidade", segundo publicou o South China Morning Post.

    Contudo, a passagem do navio pelo mar do Sul da China, cuja soberania é reivindicada por Pequim, é esperada para o início deste ano, enquanto a embarcação e seu grupo de ataque deverão se juntar a unidades militares dos EUA e do Japão no Pacífico.

    Assim sendo, China promete que tomará as medidas necessárias para guardar sua soberania na região contra o emprego de navios militares britânicos.

    "O lado chinês acredita que o mar do Sul da China não deve se tornar um mar da rivalidade de grandes potências dominada por armas e navios de guerra", disse o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Tan Kefei, durante uma coletiva de imprensa na quinta-feira (31), em Pequim.

    Por sua parte, os EUA declararam inúmeras vezes que as reivindicações da China de soberania sobre o mar do Sul da China são "ilegais".

    Washington defende o livre trânsito de navios na região, ao passo que sua Marinha realiza operações na mesma.

    Mais:

    Em 2020, China se destaca com planejamento; EUA e Brasil ficam para trás, dizem analistas
    Ciao, dólar: Coreia do Norte proíbe transações em moeda estrangeira, diz mídia
    Rússia não é 'ameaça direta' para OTAN, afirma Stoltenberg
    Tags:
    Mar do Sul da China, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar