18:15 21 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)
    161
    Nos siga no

    A Austrália abandonou o desenvolvimento nacional de uma vacina contra o coronavírus, após participantes dos testes clínicos apresentarem resultados falsos positivos para o HIV.

    O medicamento, elaborado pela Universidade de Queensland e pela empresa de biotecnologia CSL, desencadeou uma resposta imune "robusta" ao SARS-CoV-2 nos testes da primeira fase, mas também ocasionou algumas complicações inesperadas envolvendo outro vírus perigoso.

    Os anticorpos que protegiam os participantes de uma infecção por COVID-19 também passaram a ocasionar resultados falsos positivos nos testes para HIV.

    Embora nenhum participante do estudo tenha realmente contraído o HIV, o ministro da Saúde da Austrália, Greg Hunt, reconheceu que o efeito colateral bizarro interfere no rastreamento do HIV. Como ainda não há cura conhecida para o vírus, que ataca o sistema imunológico, se este não for tratado, o HIV pode levar à AIDS.

    Segundo os fabricantes da vacina, o problema pode levar até um ano para ser resolvido, e deste modo o CSL e o governo australiano tiveram de cancelar os testes das segunda e terceira fases. O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, já declarou que o medicamento em desenvolvimento seria arquivado indefinidamente e "não fará mais parte do plano de vacina da Austrália".

    No entanto, a Austrália já fechou um acordo de compra de dez milhões de doses da vacina Pfizer/BioNTech, que deve receber a aprovação do regulador australiano de medicamentos no início do próximo ano.
    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)

    Mais:

    Brasil tem quase 180 mil mortes provocadas pela COVID-19
    Agência chinesa de aviação civil recomenda que aeromoças usem fraldas contra a COVID-19
    Vacina da Pfizer tem aval de painel consultivo de agência sanitária dos Estados Unidos
    Tags:
    Austrália, COVID-19, HIV, AIDS, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar