09:44 28 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)
    8721
    Nos siga no

    Documentos confidenciais do Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças de Hubei, na China, sugerem que o país asiático escondeu informações sobre o avanço da COVID-19 em 2019.

    O vírus foi identificado ainda no final de 2019 em Wuhan, na província de Hubei e a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi notificada em 31 de dezembro sobre vários casos de pneumonia.

    Os documentos foram obtidos e divulgados pela rede americana CNN nesta terça-feira (1º) através de uma pessoa que trabalhou no sistema de saúde chinês e pediu para não ser identificada.

    O arquivo cobre um período incompleto entre outubro de 2019 e abril deste ano.

    Vendedora usa máscara enquanto prepara carne de porco dentro do mercado atacadista de Yuegezhuang, após novos casos de infecções pela doença do novo coronavírus (COVID-19) em Pequim, China, 17 de junho de 2020
    © REUTERS / Tingshu Wang
    Carne sendo vendida na China

    O material indica que houve discrepância nos números oficiais de casos confirmados do novo coronavírus. No dia 10 de fevereiro, por exemplo, as autoridades chinesas relataram 2.478 novos casos confirmados. No entanto, o relatório lista um total de 5.918 novos casos detectados, mais do que o dobro do número divulgado.

    Esse número interno era dividido em subcategorias: 2.345 eram de "casos confirmados", 1.772 de "casos clinicamente diagnosticados" e 1.796 de "casos suspeitos".

    Brasileiros trazidos da China desembarcam das aeronaves enviadas pelo governo brasileiro à Wuhan
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Brasileiros trazidos da China desembarcam das aeronaves enviadas pelo governo brasileiro à Wuhan

    Ainda não está claro o motivo que levou os artigos específicos a serem selecionados ou como a fonte obteve os papéis.

    Outro ponto destacado pelos documentos obtidos pela CNN é a imprecisão nos testes. Em 10 de janeiro, durante uma auditoria em instalações de teste, as autoridades relataram que os kits de exames usados ​​para diagnosticar o novo vírus eram ineficazes, apontando regularmente falsos negativos. Além disso, de acordo com os papéis, havia falta de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual).

    Os registros apontam para a existência em 2019 de cerca de 200 "casos confirmados" e "casos clinicamente diagnosticados".

    Pessoas usam máscaras protetoras durante cerimônia de comemoração do 71º aniversário da República Popular da China, em Pequim, 1º de outubro de 2020
    © REUTERS . Carlos Garcia Rawlins
    Pessoas usam máscaras protetoras durante cerimônia de comemoração do 71º aniversário da República Popular da China, em Pequim, 1º de outubro de 2020

    O governo chinês disse à OMS, no entanto, que foram registrados só 44 "casos de pneumonia de etiologia desconhecida" até 3 de janeiro de 2020.

    De acordo com os dados da Universidade Johns Hopkins, a COVID-19 já infectou 63.384.168 pessoas ao redor do planeta e deixou 1.470.971 mortos desde o início da pandemia.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)

    Mais:

    Especialista explica se é possível contrair COVID-19 durante vacinação com Sputnik V
    Rio de Janeiro está com 93% das UTIs para COVID-19 ocupadas no SUS
    Plano de vacinação para a COVID-19 no Brasil? Para especialista, ainda é cedo demais
    Scott Atlas renuncia como conselheiro especial de Trump sobre COVID-19
    Fraude em álcool gel usado para prevenir COVID-19 é alvo de operação da Polícia Federal em Minas
    Pfizer e BioNtech pedem autorização de comercialização da vacina contra COVID-19 na Europa
    Tags:
    pneumonia, infecções graves, infectados, documentos, dados, novo coronavírus, pandemia, China, Wuhan, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar