01:58 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5605
    Nos siga no

    Um membro do governo do Irã declarou nesta terça-feira (17) que qualquer ataque dos Estados Unidos ao país enfrentaria uma resposta "esmagadora".

    "Qualquer ato contra a nação iraniana sem dúvida enfrentaria uma resposta esmagadora", disse o porta-voz Ali Rabiei em declarações transmitidas em um site oficial do governo, segundo informou a agência Reuters.
    Edifício danificado por incêndio nas instalações de enriquecimento de urânio de Natanz, cerca de 322 quilômetros ao sul de Teerã, Irã, 2 de julho de 2020
    © AP Photo / Organização de Energia Atômica do Irã
    Centrífuga nuclear no Irã

    O porta-voz rebateu assim a informação de que o presidente dos EUA, Donald Trump, pediu para se estudar opções para atacar a instalação de Natanz, principal unidade de processamento de urânio iraniana.

    Presidente dos EUA, Donald Trump, durante celebrações do Dia do Veterano, em Arlington, Virginia, EUA, 11 de novembro de 2020
    © REUTERS / Carlos Barria
    Presidente dos EUA, Donald Trump, durante celebrações do Dia do Veterano, em Arlington, Virginia, EUA, 11 de novembro de 2020

    A notícia foi publicada na segunda-feira (16) por The New York Times. Segundo o jornal, em reunião realizada na última quinta-feira (12), na Casa Branca, o chefe de Estado americano perguntou se ele teria opções de ataque contra a principal instalação nuclear do Irã, após inspetores internacionais relatarem um aumento significativo no estoque de material nuclear da república islâmica.

    Mais:

    Rei saudita apela para mundo tomar 'postura decisiva' contra Irã
    Após saída de Trump Israel poderia lançar ataque preventivo contra Irã, diz general dos EUA
    Pentágono espera ordem de Trump para reduzir tropas no Iraque e Afeganistão pela metade
    NYT: Trump queria atacar Irã, mas desistiu da ideia após pressão de assessores
    Tags:
    Natanz, Donald Trump, Crise, nuclear, ataques, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar