03:55 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5111
    Nos siga no

    O presidente azeri Ilham Aliev disse hoje (14) que, durante os enfrentamentos em Nagorno-Karabakh, foram destruídas e apreendidas armas armênias avaliadas em US$ 2 bilhões (cerca de R$ 11,2 bilhões na cotação atual).

    Aliev concedeu uma entrevista nesta quarta-feira (14) à emissora turca Haber Turk, na qual detalhou a quantidade de armas e veículos da Armênia que foram apreendidos ou destruídos durante as últimas semanas de conflito.

    "Nestas duas semanas, destruímos mais de 200 veículos de combate da Armênia e capturamos outros 33 como troféus. Também destruímos dois sistemas [de mísseis terra-ar] S-300, cujo preço é de conhecimento de todos, assim como os sistemas OSA-35, TOR, KUB e KRUG, vários veículos de carga e armas antitanque, por um montante avaliado entre US$ 1 e 2 bilhões [entre R$ 5,6 e 11,2 bilhões, na cotação atual] no total", disse o presidente azeri.

    No fim de setembro, os enfrentamentos em Nagorno-Karabakh - região que é foco de conflito entre Armênia e Azerbaijão desde 1988 - voltaram a escalar. Os líderes de Rússia, EUA e França pediram o fim imediato das hostilidades e o retorno das partes à mesa de negociação.

    Com mediação da Rússia, Armênia e Azerbaijão firmaram um cessar-fogo na última sexta-feira (9). As partes, no entanto, vêm se acusando mutuamente de violações do armistício, que entrou em vigor no sábado (10).

    Por sua vez, a Turquia - um adversário histórico da Armênia e aliado de Baku - declarou que oferecerá qualquer tipo de apoio solicitado pelo Azerbaijão para o conflito em Nagorno-Karabakh.

    Mais:

    Armênia anuncia abate de caça Su-25 do Azerbaijão em Nagorno-Karabakh
    Centenas de militantes sírios ligados à Turquia são enviados a Nagorno-Karabakh, revela jornal
    Erevan acusa Azerbaijão de atacar hospital em Nagorno-Karabakh
    Tags:
    conflito armado, Nagorno-Karabakh, Armênia, Azerbaijão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar