08:22 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    214
    Nos siga no

    O Ministério da Defesa da Armênia acusou o Exército do Azerbaijão de atacar um hospital a nordeste da linha de contato em Nagorno-Karabakh.

    "O inimigo, que segue violando o cessar-fogo, desta vez atacou um dos hospitais localizados a nordeste da linha de contato, onde também civis estão sendo tratados", informou a porta-voz do Ministério da Defesa da Armênia, Shushan Stepanyan.

    Segundo ela, esta é uma clara violação do cessar-fogo pelo Azerbaijão, bem como das leis que proíbem atacar hospitais e locais onde os feridos são abrigados.

    "Isto já é um crime de guerra evidente, cuja responsabilidade cabe diretamente à direção político-militar do Azerbaijão", enfatizou.

    Os confrontos eclodiram em Nagorno-Karabakh em 27 de setembro passado, tendo já deixado centenas de mortos e feridos. A Rússia, França e Estados Unidos estão entre os países que pediram o fim imediato das hostilidades na região disputada.

    Em 9 de outubro, após dez horas de negociações em Moscou, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, anunciou que a Armênia e o Azerbaijão concordaram com um cessar-fogo em Nagorno-Karabakh a partir de 10 de outubro para trocar prisioneiros e corpos dos mortos.

    A linha de contato divide as forças armênias (o Exército de Defesa de Nagorno-Karabakh) e as Forças Armadas do Azerbaijão no conflito de Nagorno-Karabakh. Ela foi formada após o cessar-fogo de maio de 1994, que terminou com a guerra de 1988-94 entre os dois países. O comprimento da linha de contato é de 180-200 quilômetros.

    Mais:

    Líder de Nagorno-Karabakh responsabiliza autoridades de Israel pelo 'genocídio' na república
    Autoridades de Nagorno-Karabakh acusam Azerbaijão de violar cessar-fogo (FOTOS)
    Presidente do Azerbaijão destaca papel da Rússia no cessar-fogo em Nagorno-Karabakh
    Tags:
    ataque, guerra, conflito, Azerbaijão, Armênia, Nagorno-Karabakh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar