08:35 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Autoridades da república não reconhecida de Nagorno-Karabakh acusaram o Azerbaijão de lançar ataques contra diferentes localidades da região neste sábado (10), violando o acordo de trégua firmado na última sexta-feira (9).

    "No momento, Martuni, Shushi [Khodzhavend e Shusha, em azeri] e vários grandes vilarejos de Artsakh [Nagorno-Karabakh] estão sendo bombardeadas", disse Vagram Pogosyan, secretário de imprensa do líder regional Araik Arutyunyan, citado pelo Centro Armênio Unificado de Informações. "O regime de cessar-fogo não está sendo mantido, e não foi mantido o dia todo. O Azerbaijão fez ataques de artilharia nas direções norte e sul."

    Ainda de acordo com o centro, até mesmo a capital de Nagorno-Karabakh teria sido alvo de ataques neste sábado (10). 

    ​Se perguntando sobre como está o cessar-fogo? O Azerbaijão, hoje, atacou Stepanakert, capital de Artsakh, outra vez. 

    Na última sexta-feira (9), em Moscou, autoridades da Armênia e do Azerbaijão concordaram com o estabelecimento de um regime de cessar-fogo na região a partir deste sábado (10), para fins humanitários, troca de prisioneiros e remoção de corpos.

    Nagorno-Karabakh se encontra mergulhada em um intenso conflito desde o final do mês passado, com ambos os lados acusando o outro de ser o responsável pela nova escalada de violência na região, alvo de disputas desde que decidiu se separar da então República Socialista Soviética do Azerbaijão, há 32 anos.

    Mais:

    Drone lança bomba em Stepanakert, capital de Nagorno-Karabakh
    Pelo menos 3 jornalistas ficam feridos após alegado ataque azeri contra igreja em Nagorno-Karabakh
    Quais os interesses da Turquia no conflito de Nagorno-Karabakh?
    Armênia e Azerbaijão aceitam proposta de Putin de consultas na Rússia sobre Nagorno-Karabakh
    Tags:
    conflito, ataque, violação, trégua, cessar-fogo, Nagorno-Karabakh, Azerbaijão, Armênia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar