01:12 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6323
    Nos siga no

    Zhang Nandong, porta-voz do Comando do Teatro Sul do Exército de Libertação Popular disse ontem (9) que o destróier USS John S. McCain dos EUA entrou em águas territoriais chinesas perto das ilhas disputadas Paracel no mar do Sul da China sem autorização de Pequim.

    "O destróier John S. McCain da Marinha dos EUA invadiu sem autorização do governo chinês as águas territoriais da China perto do arquipélago de Xisha (ilhas Paracel)", afirmou porta-voz em comunicado.

    O documento acrescenta ainda que os EUA enviaram em várias ocasiões seus navios de guerra ao mar do Sul da China para demonstrar a força e aumentar sua presença militar, uma atividade que Pequim qualifica de grave violação da sua soberania.

    "Instamos os EUA a parar imediatamente este tipo de ações provocadoras, a gerir e controlar rigorosamente suas operações militares marítimas e aéreas a fim de evitar acidentes", avança comunicado.
    Exercícios navais dos EUA e das Filipinas nas águas do Mar do Sul da China, em junho de 2014
    © AFP 2020 / NOEL CELIS/POOL
    Exercícios navais dos EUA e das Filipinas nas águas do Mar do Sul da China, em junho de 2014

    De acordo com a China, essas ações dos EUA minam a paz e a estabilidade no mar do Sul da China e representam uma provocação militar evidente.

    Pequim tem reivindicado a soberania sobre grande parte do mar do Sul da China – região que que também é contestada por várias outras nações, como Vietnã, Filipinas, Malásia e Brunei.

    Mais:

    Pequim dispara mísseis no mar do Sul da China em 'aviso' aos EUA, diz jornal
    Pequim constrói instalação para abrigar porta-aviões no mar do Sul da China, diz especialista (FOTO)
    Filipinas solicitarão apoio militar aos EUA em caso de ataque de Pequim no mar do Sul da China
    Tags:
    tensão regional, Marinha dos EUA, navio de guerra, Paracel, territórios disputados, águas territoriais, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar