08:55 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6921
    Nos siga no

    Segundo o Ministério da Defesa da Armênia, os militares do Azerbaijão transferiram o comando da ofensiva aérea na região de Nagorno-Karabakh à Turquia.

    O porta-voz do Ministério da Defesa da Armênia, Artsrun Hovhannisyan, informou nesta quarta-feira (30) que o Azerbaijão transferiu à Força Aérea da Turquia o comando aéreo da ofensiva contra a região de Nagorno-Karabakh.

    Segundo o oficial, os voos das forças aéreas turca e azeri nesta quarta-feira (30) "foram coordenadas por um centro de comando turco, um [avião] E7-T, nas proximidades das cidades turcas de Erzurum e Kars".

    "É possível a presença do comando da Força Aérea da Turquia a bordo desta aeronave", escreveu Hovhannisyan em sua conta no Facebook.

    Segundo ele, dois F-16 turcos, caças azeris Su-25, bem como um drone turco Bayraktar TB2, decolando do território da Turquia, realizaram ataques contra as cidades de Hadrut e de Martacerta, na região de Nagorno-Karabakh.

    "Além disso, nas proximidades da cidade de Hadrut opera um centro de comando de drones turcos, que coordena os ataques da aviação ofensiva azeri", destacou o porta-voz do Ministério da Defesa da Armênia.

    Neste domingo (27), o Ministério da Defesa do Azerbaijão declarou que a Força Aérea da Armênia atacou povoados na fronteira da região, provocando baixas militares e civis. O Ministério da Defesa da Armênia, por outro lado, afirma que Nagorno-Karabakh foi atacado por forças aéreas do Azerbaijão. Em ambos os países foi declarado estado de guerra, enquanto mobilizações militares são registradas.

    Mais:

    Destruição e estilhaços de munição mudam a paisagem de Nagorno-Karabakh
    Parlamento russo apela a cessar-fogo imediato em Nagorno-Karabakh e se propõe a mediar o conflito
    Armênia pode assinar acordo de cooperação estratégica e de segurança com Nagorno-Karabakh
    Tags:
    Azerbaijão, Armênia, conflito, Nagorno-Karabakh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar