16:25 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Coronavírus no mundo no fim de setembro (49)
    161
    Nos siga no

    A capital do país é o último local na China a relatar casos do novo coronavírus em alimentos, e pede que empresas locais evitem e relatem proativamente casos assim.

    A capital da China, Pequim, pediu aos importadores nacionais que impedissem a recepção de alimentos congelados de países com novos surtos graves de coronavírus, diz a agência Reuters.

    O Departamento do Comércio Municipal de Pequim exortou às empresas importadoras para "evitar proativamente a importação de alimentos congelados de áreas fortemente atingidas pelo coronavírus" e fazer planos alternativos de importação.

    Como medidas, a organização pede que as empresas melhorem seus mecanismos de alerta e comunicação, e informem rapidamente as autoridades se os testes dos produtos forem positivos.

    "A alfândega e os governos locais têm repetidamente detectado o coronavírus em alimentos congelados importados, provando o risco de contaminação", disse o escritório em um comunicado às empresas importadoras.

    A China não tem relatado nenhuma infecção local pelo SARS-CoV-2 por mais de um mês, mas recentemente o detectou em embalagens de produtos aquáticos importados na província de Jilin, noroeste do país, e na cidade de Qingdao, perto do mar Amarelo, com a península coreana do outro lado.

    Como resultado disso, a China suspendeu importações de produtores de frutos do mar de Brasil, Indonésia e Rússia por uma semana ou mais.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no fim de setembro (49)

    Mais:

    China pode ampliar importações de carne de frango do Brasil, mesmo com aumento da produção interna
    Após frango com COVID-19, China diz que, por enquanto, não vai restringir importações do Brasil
    Nova rota marítima entre Brasil e China acelera chegada de carnes brasileiras à Ásia
    Tags:
    Mar Amarelo, Jilin, COVID-19, Reuters, Pequim, Indonésia, Brasil, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar