02:28 21 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de setembro (48)
    10162
    Nos siga no

    A economia chinesa está mostrando sinais de recuperação no setor de exportações, conforme dados oficiais do governo chinês.

    Os números publicados nesta terça-feira (8) mostram que a taxa de crescimento das exportações na China apresentou o maior crescimento em 17 meses, aproveitando uma melhora da demanda externa.

    Além disso, a China também tirou proveito do aumento de pedidos de insumos médicos, impulsionado pela pandemia da COVID-19, tendo em vista que a China foi um dos primeiros países a controlar a transmissão da doença.

    Tais produtos tiveram aumento de 38,9% em termos de exportações no mês de agosto, em comparação com o mesmo período do ano anterior. Apesar do crescimento acelerado, a taxa foi menor que a de julho deste ano, quando as exportações de insumos médicos cresceram 78% na China. Produtos como máscaras ajudaram o setor têxtil a crescer 47% em agosto.

    Embarcação recebe contêineres em porto dos EUA em direção à China
    © AP Photo / Stephen B. Morton
    Embarcação recebe contêineres em porto dos EUA em direção à China

    A taxa de exportações, no geral, subiu 9,5% em comparação com agosto do ano passado, totalizando um valor acumulado de US$ 235 bilhões (cerca de R$ 1,2 trilhão). Houve crescimento também em relação ao mês anterior, que apresentou alta de 7,2% nas exportações. O aumento nas exportações em agosto deste ano foi o mais acelerado desde março de 2019.

    As importações, por outro lado, caíram pelo segundo mês consecutivo, com queda de 2,1% em agosto, em comparação com o mesmo período do ano anterior, totalizando um volume de US$ 176,3 bilhões (cerca de R$ 939 bilhões). A queda foi maior que a registrada em julho, que havia sido de 1,4%.

    Superávit com os EUA sobe 27% em agosto

    O superávit comercial da China - o saldo positivo da diferença entre exportações e importações – caiu de US$ 62,3 bilhões (cerca de R$ 332 bilhões) em julho deste ano para US$ 58,9 bilhões (cerca de R$ 313 bilhões) em agosto.

    Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente chinês, Xi Jinping
    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente chinês, Xi Jinping

    Apesar do recuo nos valores totais, os números do superávit comercial com os Estados Unidos cresceram, a despeito da pressão política e econômica praticada pelo governo do presidente norte-americano, Donald Trump, contra a China.

    Segundo os dados da Administração Geral Alfandegária da China, o superávit da China com os EUA cresceu 27% em agosto, comparado com o mesmo período de 2019, e chegou a US$ 34,2 bilhões (cerca de R$ 182 bilhões). Esse é o maior nível desde o final de 2018, conforme publicou a agência Caixin.

    Em relação ao Brasil, a China tem um aumento acumulado no ano em termos de superávit comercial de 1,1%. As importações da China com o Brasil subiram 5,5%, acumulando ainda uma queda de 9,2% nas exportações de produtos chineses para Brasil.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de setembro (48)

    Mais:

    Guerra comercial com EUA faz China impor novas barreiras a produtos brasileiros, diz economista
    China minimizou impacto econômico, enquanto EUA correm risco de se tornar país zumbi, diz economista
    Como recuperação econômica da China pode ajudar a tirar o mundo da recessão?
    Tags:
    Donald Trump, EUA, COVID-19, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar