05:00 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5535
    Nos siga no

    Pequim advertiu contra outras operações navais dos Estados Unidos no mar do Sul da China, alegando que as atividades recentes do lado norte-americano criam condições para um confronto militar não intencional.

    Um porta-voz do Exército de Libertação do Povo (ELP) declarou nesta sexta-feira (28) que um navio de guerra dos EUA entrou nas águas territoriais chinesas sem permissão.

    "Instamos os EUA a interromper esse comportamento provocativo e restringir suas ações marítimas para evitar possíveis acidentes militares", disse o coronel Li Huamin, acrescentando que as forças navais e aéreas do ELP monitoraram o navio enquanto ele viajava pelo mar do Sul da China.

    A Marinha dos Estados Unidos afirmou que o USS Martin realizou uma operação de "rotina" na região. Washington citou o princípio da chamada "liberdade de navegação" para defender sua atividade regular no mar.

    No início desta semana, a China lançou dois mísseis, incluindo um "assassino de porta-aviões", no mar do Sul da China após alegar que um avião espião U-2 havia invadido uma zona de exclusão aérea durante exercícios militares de fogo real.

    Drone Predator da Força Aérea dos EUA
    © flickr.com / KAZ Vorpal
    Drone Predator da Força Aérea dos EUA

    O Ministério das Relações Exteriores da China destacou que a presença da aeronave de reconhecimento dos EUA na área foi uma "provocação nua e crua" e pode ter causado um "acidente inesperado".

    Já o Pentágono negou qualquer irregularidade e condenou os lançamentos de mísseis como "contraproducentes para aliviar as tensões e manter a estabilidade".

    Na quinta-feira (27), Pequim advertiu que seus militares "não dançariam conforme a melodia dos EUA" e instou Washington a repensar sua abordagem de confronto com a China e "sair do pântano de ansiedade e paranoia".

    Mais:

    China revela 1ª helicóptero de 15 toneladas produzido no país
    EUA indiciam 4 acusados por venda de petróleo do Irã para China
    China promete 'neutralizar' EUA caso vendas de armas a Taiwan continuem
    Tags:
    diplomacia, espionagem, soberania, confronto, segurança, defesa, exercícios navais, Estados Unidos, Mar do Sul da China, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar