23:54 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    21017
    Nos siga no

    Depois que as relações entre os EUA e a China se deterioraram nos últimos anos, Washington tem destacado cada vez mais forças militares à região, continuando a política de missões de "liberdade de navegação".

    O grupo de ataque do porta-aviões USS Ronald Reagan realizou exercícios no mar do Sul da China na sexta-feira (14), incluindo exercícios de voo e treinamento de defesa antiaérea, anunciou em comunicado a Marinha dos EUA.

    "O treinamento integrado incluiu operações ar-ar, exercícios de busca e resgate de combate e exercícios de defesa antiaérea para aumentar a capacidade da força conjunta para responder a contingências regionais e manter a prontidão de combate", disse a Marinha.

    Honrando o Compromisso com os Aliados e Parceiros Regionais, o Grupo de Ataque do Porta-Aviões USS Ronald Reagan entrou no mar do Sul da China, [em] 14 de agosto, para conduzir operações de defesa antiaérea marítima em apoio a um Indo-Pacífico Livre e Aberto.

    A Marinha também observou que, além das operações envolvendo o USS Ronald Reagan, suas aeronaves e navios de apoio, os exercícios também incluíram a integração com um bombardeiro estratégico B-1B Lancer da Força Aérea dos EUA voando desde Guam, no Pacífico, para "treinamento de Guerra Conjunta no Mar" de maneira a aumentar "as capacidades de prontidão conjuntas".

    Contexto da ação

    Os exercícios da Marinha dos EUA foram realizados em meio a tensões entre os EUA e a China sobre uma ampla gama de questões, desde a disputa no mar do Sul da China até o comércio, o coronavírus, uma discussão diplomática envolvendo o fechamento de consulados em Houston, EUA, e Chengdu, China, o aumento da influência de companhias chinesas como Huawei e TikTok, bem como a venda de armas a Taiwan por Washington.

    Na semana passada, Xu Guangyu, um general aposentado do Exército de Libertação Popular da China (ELP) e conselheiro da Associação de Controle de Armas e Desarmamento da China, disse ao Global Times que se Washington continuasse a expandir seus laços com a "autoridade secessionista" de Taiwan, "o ELP poderia tomar mais contramedidas".

    Tais medidas incluiriam exercícios de mísseis com fogo real a leste da ilha de Taiwan e perto de Guam, que Pequim poderia ter capacidade de atingir com o míssil balístico de alcance intermediário Dongfeng-26 desde a China continental.

    História recente da região

    A China reivindica cerca de 90% do mar do Sul da China, com Vietnã, Malásia, Brunei, Filipinas e Taiwan fazendo também suas reivindicações. A disputa territorial gira em torno de recursos estratégicos como navegação, pesca e recursos energéticos, e remonta ao período imediatamente posterior à Segunda Guerra Mundial.

    A China e o grupo de países da ASEAN começaram a negociar um "código de conduta" para a região em 2002, mas pouco progresso foi feito desde o início dos anos 2010 em meio às missões de "liberdade de navegação" dos EUA em toda a área, considerada de "interesse nacional americano" pela então secretária de Estado, Hillary Clinton.

    Mais:

    Especialista: voos de vigilância dos EUA perto da fronteira chinesa levarão Pequim a 'dar o troco'
    Em apoio a seus navios no mar do Sul da China, EUA enviam 2 bombardeiros estratégicos B-1B (FOTOS)
    EUA afirmam que seus porta-aviões 'não estão intimidados' com 'assassinos' da China (FOTOS)
    Tags:
    Pacífico, Guam, Marinha dos EUA, Mar do Sul da China, USS Ronald Reagan, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar