09:34 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4283
    Nos siga no

    O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, disse que as armas nucleares conquistadas com força por seu país são uma sólida garantia de segurança e um impedimento "confiável e eficaz" que pode impedir uma segunda Guerra da Coreia, informou a mídia estatal nesta terça-feira (28).

    Os comentários de Kim foram feitos perante dos veteranos de guerra que comemoram o 67º aniversário do fim da Guerra da Coreia (1950-53), e mostram novamente que ele não tem intenção de abandonar suas armas, pois as perspectivas diminuem para a retomada da diplomacia com os Estados Unidos.

    A Coreia do Norte já havia intensificado a retórica inflamada ou conduzido testes de armas para obter concessões externas. Mas alguns especialistas dizem que Pyongyang provavelmente evitará negociações sérias com Washington antes das eleições presidenciais dos EUA em novembro, pois há uma chance de uma mudança de liderança nos EUA.

    Kim afirmou em seu discurso nesta segunda-feira (27) que seu país tentou se tornar "um Estado nuclear" com "um poder absoluto" para impedir outra guerra e que agora construiu tal impedimento, segundo a Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA).

    "Agora, mudamos para um país que pode se defender de maneira confiável e inabalável contra pressões de alta intensidade e ameaças militares e chantagem por reacionários imperialistas e forças hostis", declarou Kim.

    "Não haverá guerra nesta terra novamente e nossa segurança e nosso futuro nacionais serão garantidos com firmeza e permanência por causa de nossa dissuasão nuclear autodefensiva confiável e eficaz", acrescentou.

    Novo encontro enterrado?

    O discurso de Kim seguiu observações recentes de autoridades norte-coreanas e norte-americanas, sugerindo que estavam relutantes em se envolver em uma nova rodada de diplomacia no programa nuclear do Norte em breve.

    Presidente dos EUA Donald Trump e líder norte-coreano Kim Jong-un durante encontro na zona demilitarizada, 30 de junho de 2019
    © AP Photo / Susan Walsh
    Presidente dos EUA Donald Trump e líder norte-coreano Kim Jong-un durante encontro na zona demilitarizada, 30 de junho de 2019

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que o presidente Donald Trump só gostaria de se envolver com Kim se houvesse perspectivas reais de progresso. A irmã de Kim e a principal autoridade do partido no poder, Kim Yo-jong, afirmou que uma nova cúpula seria "impraticável" para a Coreia do Norte e que Pyongyang não oferecerá a Trump uma reunião de alto nível que ele pode se orgulhar como conquista da política externa.

    Kim Jong-un e Trump se encontraram três vezes desde que Kim, em 2018, abruptamente procurou Washington e Seul para conversar depois de expressar sua intenção de acabar com o avanço dos arsenais nucleares. Muitos especialistas estavam céticos quanto ao compromisso de desarmamento de Kim e disseram que ele apenas pretendia enfraquecer as sanções lideradas pelos EUA e aperfeiçoar seu programa nuclear.

    A diplomacia nuclear permanece em grande parte estagnada desde que uma segunda reunião de Kim e Trump, em fevereiro de 2019 no Vietnã, entrou em colapso sem chegar a um acordo porque Trump rejeitou a proposta de Kim de obter um amplo alívio das sanções em troca de uma etapa limitada da desnuclearização.

    Kim entrou neste ano prometendo reforçar seu programa nuclear e ameaçou revelar uma nova arma "estratégica". Ele também disse que não seria mais obrigado por uma moratória auto-imposta em testes de mísseis nucleares e de longo alcance. Kim não realizou testes de armas de alto perfil que, segundo alguns analistas, poderiam inviabilizar completamente a diplomacia com os EUA.

    Mais:

    Coreia do Norte faz reunião militar em grande escala para debater 'ameaças potenciais'
    Coreia do Norte desafia previsões ocidentais modernizando submarinos que ameaçariam EUA, diz revista
    Coreia do Norte anuncia 1º caso suspeito de coronavírus
    Tags:
    segurança, defesa, Donald Trump, Kim Jong-un, desnuclearização, armas nucleares, relações bilaterais, Guerra da Coreia, Estados Unidos, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar