03:40 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    132
    Nos siga no

    Em passo para iniciar negociações de paz, governo do Afeganistão libertou neste sábado (25) um grupo de 50 prisioneiros do Talibã (grupo terrorista proibido na Rússia e outros países).

    Segundo a emissora afegã TOLOnews, que cita fonte do Conselho de Segurança Nacional, entre os militantes estão indivíduos presos por crimes graves.

    Conforme acordo assinado em fevereiro pelo Talibã com os Estados Unidos, Cabul soltará 5.000 insurgentes em troca de 1.000 prisioneiros mantidos pela organização, pavimentando o caminho para conversas de paz dentro do Afeganistão.

    As negociações estavam previstas para começar em março, mas foram adiadas por causa de divergências justamente sobre a libertação de presos. 

    Na quinta-feira (23), um porta-voz talibã, Suhail Shaheen, disse que o grupo estava pronto para libertar todos os presos ainda em poder dos militantes antes da Festa do Sacrifício islâmica, caso o governo afegão fizesse o mesmo. 

    Shahhen afirmou ainda que, com a troca efetivada, os talibãs se sentariam na mesa de negociações após a festividade, realizada de 30 de julho a 3 de agosto.

    Violência continua no país

    Apesar dos avanços e promessas, episódios de violências continuam ocorrendo no Afeganistão. Neste sábado (25), o Conselho de Segurança Nacional informou que 46 civis foram mortos e 93 feridos em ataques talibãs no país na semana passada. Segundo o governo, o grupo conduziu 401 atividades terroristas em 23 das 34 províncias afegãs. 

    Na sexta-feira (23), os Estados Unidos concordaram em manter reuniões com o Irã focadas no processo de paz afegão.

    Mais:

    Após erros no Iraque e Afeganistão, EUA desenvolvem nova doutrina de aprendizado para fuzileiros
    Talibã faz 53 civis reféns no centro do Afeganistão
    Senado dos EUA rechaça projeto de lei para colocar fim ao conflito no Afeganistão
    Tags:
    violência, terrorismo, militantes, insurgentes, negociações, acordo, paz, EUA, Irã, Talibã, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar