12:18 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de julho (46)
    0 130
    Nos siga no

    Pesquisadores em Singapura encontraram um grupo de sobreviventes da epidemia de SARS de 2003 que mantiveram suas células T nos 17 anos seguintes, fornecendo um vislumbre de esperança por uma imunidade duradoura à COVID-19.

    As células T são um tipo de glóbulo branco e são as tropas da linha de frente que nosso corpo utiliza para combater doenças e infecções. Em um estudo liderado pela Duke-NUS Medical School, em Singapura, foram coletadas amostras de sangue de 23 pacientes com SARS para verificar a existência de células imunológicas efetivas remanescentes.

    Os pesquisadores descobriram que alguns dos infectados pela SARS em 2003 ainda têm suas células T e, portanto, podem estar protegidos contra a reinfecção por SARS. Não há casos registrados de SARS, outro tipo de coronavírus, desde 2004.

    Essas descobertas apoiam "a noção de que pacientes com COVID-19 desenvolverão imunidade a longo prazo por células T", escreveram os pesquisadores.

    Outros estudos citados na pesquisa mostraram que pessoas que tiveram um resfriado comum nos últimos dois anos mostraram "proteção reativa cruzada" contra a COVID-19, graças a algumas células T restantes.

    Cientistas do Instituto de Imunologia La Jolla, na Califórnia, disseram anteriormente que era "tentador especular" sobre uma proteção pré-existente subjacente contra a COVID-19.

    Cientista dilui amostras durante a pesquisa e desenvolvimento de uma vacina contra a doença do coronavírus (COVID-19) em um laboratório da empresa de biotecnologia BIOCAD em São Petersburgo, Rússia, 11 de junho de 2020
    © REUTERS / Anton Vaganov
    Cientista dilui amostras durante a pesquisa e desenvolvimento de uma vacina contra a COVID-19

    O avanço sugerido pelos cientistas de Singapura marca um desenvolvimento significativo para a pesquisa de vacinas, pois ajudaria a determinar com que frequência precisamos de uma injeção de reforço assim que a vacina for encontrada.

    Os pesquisadores deram um passo adiante e testaram os "veteranos" da era SARS contra o SARS-CoV-2 e, com certeza, eles exibiram uma reatividade "robusta" no combate à infecção.

    A equipe então recrutou 37 voluntários que nunca tiveram coronavírus para ver se a exposição anterior rendeu alguma proteção subjacente, e o que encontraram foi notável: apesar de não haver exposição à SARS ou à SARS-CoV-2, 50% (19) dos os participantes tinham células T capazes de, pelo menos, lidar com células da COVID-19.

    "Surpreendentemente, também frequentemente detectamos células T específicas para SARS-CoV-2 em indivíduos sem histórico de SARS, COVID-19 ou contato com pacientes com SARS / COVID-19", escreveram os autores.

    A pesquisa sugere que a imunidade à COVID-19 é maior do que o teste de anticorpos revela, e mais uma vez abre a possibilidade de imunidade subjacente e o potencial para uma vacina eficaz mais cedo do que se pensava inicialmente.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de julho (46)

    Mais:

    Cientistas identificam pessoas potencialmente imunes ao coronavírus
    Estudo de anticorpos não comprova estratégia de imunidade de grupo na Suécia
    Secretário de ministério contraria Bolsonaro sobre imunidade de rebanho para combater COVID-19
    Tags:
    anticorpos, ciência, saúde, imunidade, vacina, pandemia, novo coronavírus, COVID-19, Estados Unidos, Singapura
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar