09:47 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2254
    Nos siga no

    A China afirmou nesta terça-feira (14) que se opõe firmemente à declaração do Departamento de Estado dos EUA, segundo a qual "as reivindicações territoriais de Pequim" no mar do sul da China seriam "ilegais".

    Além disso, o governo chinês classificou as acusações de Washington de que a China intimidou seus vizinhos como "completamente injustificada".

    "Os EUA não são um país diretamente envolvido nas disputas. No entanto, continuam interferindo na questão", informou a Embaixada da China nos Estados Unidos em comunicado publicado em seu site.

    "Sob o pretexto de preservar a estabilidade, [Washington] está flexionando os músculos, provocando tensão e incitando o confronto na região", acrescentou a diplomacia chinesa.

    Na segunda-feira (13), os EUA classificaram como ilegais as demandas chinesas na área.

    "Os Estados Unidos defendem um Indo-Pacífico livre e aberto. Hoje estamos fortalecendo a política dos EUA em uma parte vital e contenciosa dessa região - o mar do sul da China", declarou o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.

    "Estamos deixando claro: as reivindicações de Pequim por recursos no mar na maior parte do mar do Sul da China são completamente ilegais, assim como sua campanha de bullying para controlá-los", complementou ele.

    A região da Ásia-Pacífico tem várias disputas territoriais nos mares que envolvem Brunei, China, Japão, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã. Os embates acontecem em razão de riquezas ainda não exploradas na região, como minerais diversos e petróleo e gás.

    Mais:

    Exercícios chineses no mar do Sul da China preocupam EUA, diz Pentágono
    Aviso aos EUA: analista diz que Pequim tem ampla gama de armas contra navios no mar do Sul da China
    Destróier chinês de última geração surge pela 1ª vez no mar da China Oriental
    Tags:
    Mike Pompeo, interferência, soberania, diplomacia, Mar do Sul da China, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar