21:32 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)
    3130
    Nos siga no

    A China não pode dizer com certeza que a COVID-19 se originou dentro de suas fronteiras apenas porque descobriu a doença antes do resto do mundo, declarou o embaixador chinês na Rússia, Zhang Hanhui, nesta quarta-feira (10).

    Em maio, mais de 100 países da Assembleia Mundial da Saúde, órgão decisório da Organização Mundial da Saúde (OMS), apoiaram um pedido de investigação sobre a origem do novo coronavírus, apesar da oposição anterior de Pequim.

    "Houve um surto na China, mas não podemos dizer que a fonte original do coronavírus estava na China. Simplesmente o detectamos mais cedo do que o resto e tomamos medidas", avaliou o embaixador durante uma conferência de imprensa.

    Entretanto, o diplomata chinês destacou que a China apoia qualquer iniciativa para chegar ao real foco da doença, desde que tal esforço seja realizado com independência e sem conclusões precipitadas.

    "É claro que apoiamos essa investigação, mas somos contra a realização de uma investigação na presunção de culpa [...]. É nosso dever, nossa obrigação. No entanto, pensamos que determinar a fonte da COVID-19 é uma questão científica, não política", afirmou.
    Embaixador chinês na Rússia, Zhang Hanhui, ao lado do presidente russo Vladimir Putin e do chanceler russo Sergei Lavrov
    © AP Photo / Aleksey Nikolskyi / Kremlin Pool Photo
    Embaixador chinês na Rússia, Zhang Hanhui, ao lado do presidente russo Vladimir Putin e do chanceler russo Sergei Lavrov

    No final de dezembro de 2019, as autoridades chinesas relataram um surto de pneumonia de origem desconhecida na cidade de Wuhan, na província chinesa de Hubei. Mais tarde, a causa foi determinada como um novo tipo de doença por coronavírus, designada por especialistas como COVID-19.

    A China tem sido repetidamente acusada pelos EUA de reter informações sobre a epidemia durante seus estágios iniciais, culpando-a pela disseminação da doença. Pequim, por sua vez, nega com veemência tais afirmações, alegando que está sendo veiculada desde o primeiro dia.

    Até agora, a infecção matou cerca de 410 mil pessoas em todo o mundo. Depois da China, da Europa e dos EUA, o mais recente epicentro da doença é a América Latina – com destaque ao Brasil –, de acordo com a OMS.

    Tema:
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)

    Mais:

    Coronavírus começou 'como acidente' em laboratório chinês, diz ex-chefe da inteligência britânica
    Trump chama COVID-19 de 'presente da China'
    Abandono da OMS pelos EUA beneficiará China, afirma National Interest
    Tags:
    OMS, pandemia, saúde, novo coronavírus, COVID-19, Hubei, Wuhan, Zhang Hanhui, embaixador, Estados Unidos, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar