04:54 18 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)
    101014
    Nos siga no

    Documentos de inteligência indicam que, embora não deliberadamente, Pequim subvalorizou publicamente o vírus, enquanto procurava estocar o maior número de suprimentos médicos.

    Altos responsáveis norte-americanos acreditam que a China estocou suprimentos médicos durante a fase mais aguda de disseminação do coronavírus no país, relata a agência Associated Press citando documentos de inteligência "apenas para uso oficial" do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (DHS, na sigla em inglês).

    A análise dos documentos afirma que, no início de janeiro, o país asiático subvalorizou a ameaça representada pelo coronavírus, ao mesmo tempo que importava suprimentos médicos e diminuía sua exportação, particularmente máscaras faciais, luvas e outros equipamentos de proteção.

    A inteligência acaba de me informar que eu estava correto e que eles NÃO mencionaram o assunto do CoronaVírus até o final de janeiro, pouco antes de eu banir a China dos EUA... Além disso, só falavam do Vírus de forma muito pouco ameaçadora, ou como dado adquirido...

    Segundo a fonte, os médicos que alertavam sobre o novo coronavírus estavam sendo silenciados, e houve responsáveis hesitantes em relatar más notícias, mas que esses passos teriam acontecido devido a obstáculos burocráticos e midiáticos existentes, uma posição que o presidente norte-americano Donald Trump já defendeu.

    "Não há evidências públicas que sugiram que tenha sido uma conspiração intencional para comprar os suprimentos médicos do mundo", diz a AP.

    O secretário de Estado dos EUA concordou que o vírus não foi espalhado deliberadamente, mas disse, também se referindo provavelmente ao SARS de 2002-2003, que "estas não foram as primeiras vezes que tivemos o mundo exposto a um vírus como resultado de falhas em um laboratório chinês".

    Laboratório na China em que profissionais de saúde realizam testes para identificar pacientes com coronavírus
    © AP Photo / Cheng Min
    Laboratório na China em que profissionais de saúde realizam testes para identificar pacientes com coronavírus

    O alto responsável também afirmou que há "evidências significativas" de que o vírus veio do laboratório de Wuhan, e que a comunidade de inteligência precisa continuar fazendo seu trabalho para determinar a origem da pandemia.

    O outro lado da moeda

    Pequim tem reagido às críticas norte-americanas referindo diversas falhas nos EUA na preparação para o combate contra a pandemia e negando as críticas de Washington e aliados de que esta teve seu início no laboratório de Wuhan, seja propositada ou acidentalmente.

    Donald Trump tem também recebido críticas nos EUA por supostamente falhar em usar informação inicial das agências de inteligência sobre o coronavírus e seu potencial impacto.

    A China informou a Organização Mundial da Saúde sobre o novo coronavírus em 31 de dezembro de 2019, entrou em contato com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças [CDC, na sigla em inglês] dos EUA em 3 de janeiro de 2020 e identificou publicamente o patógeno como um novo coronavírus em 8 de janeiro.

    Além disso, Pequim revelou que o vírus era transmissível de pessoa para pessoa em 20 de janeiro, um dia antes dos EUA relatarem seu primeiro caso.

    Muitos estudos têm apontado para a origem natural do coronavírus, mais provavelmente em morcegos, antes de se transmitir ao homem. Uma pesquisa da Universidade de Cambridge, Reino Unido, concluiu que o vírus surgiu mais ao sul da China, e não da região de Hubei, possivelmente já em setembro de 2019.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)

    Mais:

    EUA prometem vingança financeira contra a China devido à pandemia
    Inteligência francesa contradiz acusações de Trump sobre origem do novo coronavírus
    OMS quer participar das investigações da China sobre as origens da COVID-19
    China rebate acusações e diz que EUA fracassam no combate à COVID-19
    Tags:
    OMS, Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan, Wuhan, Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos, Associated Press, COVID-19, Mike Pompeo, Donald Trump, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar