17:10 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    313
    Nos siga no

    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, alertou que aqueles que violarem a quarentena em meio à crise da COVID-19 podem acabar mortos, ordenando que as forças de segurança atirem nos violentos "causadores de problema" enquanto o país luta contra o surto.

    O alerta foi dado em rede nacional na quarta-feira à noite, em que Duterte disse à polícia e aos militares que adotassem uma abordagem para violadores de medidas de bloqueio em Luzon - a maior e mais populosa ilha do país - impostas no mês passado devido à propagação do novo coronavírus.

    "Eu não hesitarei. Minhas ordens são para a polícia e os militares, assim como os [distritos], de que, se houver problemas ou a situação surgir, as pessoas brigam e suas vidas estão em risco, matem-nos a tiros", afirmou o presidente.

    "Você entendeu? Morto. Em vez de causar problemas, enviarei você para o túmulo", acrescentou.

    Duterte fez seu discurso apenas algumas horas depois de 21 residentes em Quezon City - a maioria deles trabalhadores de fábricas e construções de baixa renda, incapazes de trabalhar durante o bloqueio - foram presos por protestar sem permissão.

    As prisões foram condenadas pelo grupo trabalhista Solidariedade de Trabalhadores Filipinos (BMP), que castigou o governo por ter como alvo pessoas pobres pedindo ajuda durante a crise.

    Primeira foto do novo coronavírus feita com microscópio eletrônico por cientistas chineses
    © Foto / Arquivo nacional de microrganismos patogênicos da China
    Primeira foto do novo coronavírus feita com microscópio eletrônico por cientistas chineses

    O presidente pediu para que os pacientes que precisam de ajuda tenham calma, exortando-os a "esperar a entrega mesmo que demore, ela chegará e você não passará fome", mas alertou para que os moradores "não intimidem o governo. Não desafiem o governo. Vocês certamente perderão".

    O amplo pedido de bloqueio colocou a população inteira de 57 milhões de Luzon em "quarentena comunitária aprimorada", limitando o movimento em torno da ilha a comprar alimentos, medicamentos e outros itens essenciais e a fechar todas as indústrias, exceto as vitais.

    As Filipinas confirmaram mais de 2.300 casos de COVID-19 e contabilizaram 96 mortes. A Organização Mundial da Saúde (OMS), no entanto, observou que, devido ao baixo número de testes administrados lá, é provável que haja um número maior de infecções, mas afirmou que espera que os exames "aumentem substancialmente nos próximos dias".

    Mais:

    'Atirem, mas não matem': Duterte pede 'ajuda' dos filipinos contra funcionários corruptos
    Com Filipinas cobertas por cinzas, presidente Duterte diz que vai 'urinar' no vulcão
    Conseguirá Duterte cumprir ameaça de rescisão de acordo militar com EUA? Especialistas respondem
    Tags:
    OMS, direitos humanos, saúde, matar, COVID-19, novo coronavírus, Rodrigo Duterte, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar