01:20 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    3120
    Nos siga no

    Pesquisadores chineses alertam o mundo sobre possível nova mutação do novo coronavírus, que poderia deixar as pessoas doentes por quase dois meses.

    A descoberta se deu logo após a análise do desenvolvimento da doença em um paciente na China.

    Apresentando sintomas brandos, o vírus se manteve no corpo de um homem por 49 dias, o que também levantou a hipótese de ser um caso "crônico", publicou o tabloide Daily Star.

    A longa presença do coronavírus no organismo foi considerada como uma grande possibilidade de o vírus ter sofrido uma nova mutação.

    Enquanto isso, o caso mais longo na China de presença do vírus em uma pessoa durou 37 dias.

    Relação 'simbiótica'

    De acordo com especialistas da Universidade Militar de Medicina em Chongqing, do Hospital N° 967 do Exército chinês e de outros centros médicos, o vírus criou uma relação "simbiótica" com o infectado.

    Uma parente mais velha do paciente também deu positivo para o coronavírus, mas seus sintomas foram moderados e sua recuperação mais rápida.

    Isso significaria que a suposta nova mutação, apesar de possivelmente não ser transmissível, levaria mais tempo para ser eliminada do organismo.

    As autoridades chinesas também alertam que outros pacientes "crônicos" com sintomas leves poderiam espalhar a infecção, dando início a uma nova onda epidêmica.

    Mais:

    Encontrada razão para elevada taxa de mortalidade na Itália devido ao coronavírus
    Líderes de Israel ativam bunker nuclear para coordenar luta contra coronavírus (FOTO)
    Amazonas registra 1º caso de coronavírus entre indígenas no país
    Tags:
    COVID-19, China, novo coronavírus, mutação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar