15:14 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    3102
    Nos siga no

    Uma troca nuclear de baixo nível entre a Índia e o Paquistão poderia acabar com grandes áreas do suprimento de alimentos do mundo, iniciando incêndios cataclísmicos que apagariam o Sol em um inverno nuclear de uma década, segundo uma nova pesquisa.

    Com uma estimativa de 150 ogivas nucleares cada, os arsenais combinados da Índia e do Paquistão representam apenas uma fração do estoque mundial - cerca de 14.000 atualmente -, mas mesmo uma guerra nuclear "limitada" entre os rivais regionais pode ter graves consequências para o resto do mundo, segundo um estudo publicado na segunda-feira na revista Proceedings da Academia Nacional de Ciências.

    "Mesmo essa guerra regional limitada terá implicações indiretas devastadoras em todo o mundo", disse Jonas Jagermeyr, principal autor do estudo e pesquisador do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA. "Superaria a maior fome da história documentada".

    "Não estamos dizendo que um conflito nuclear está chegando. Mas é importante entender o que poderia acontecer", acrescentou.

    Começando sua simulação em 2025, quando as tensões na região contestada da Caxemira se transformam em uma hipotética guerra de tiros, o estudo analisa o que poderá acontecer se ambos os lados detonarem um total de 100 bombas do tamanho de Hiroshima - muito menos poderosas do que muitas ogivas termonucleares modernas.

    Além da morte imediata e destruição das próprias explosões, uma cascata de efeitos colaterais provavelmente agitaria o clima do mundo por anos, segundo o estudo, com as explosões provocando imensos incêndios que lançam 5 milhões de toneladas de fuligem na estratosfera, excedendo os "impactos causados por secas históricas e erupções vulcânicas".

    Explosão nuclear (imagem de arquivo)
    © Depositphotos / Curraheeshutter
    Explosão nuclear (imagem de arquivo)

    Envolto sob uma espessa camada de fumaça e fuligem, as temperaturas globais despencam, enviando os rendimentos das colheitas - em particular o milho, o cereal mais comum - para uma espiral descendente. Embora os pesquisadores acreditem que a agricultura seria mais afetada nas regiões de celeiro no Hemisfério Norte - nos EUA, Europa, Rússia e China, por exemplo - um tanto paradoxalmente, eles sugerem que a fome seria pior no sul global, onde as populações dependem da enormes excedentes alimentares produzidos nos países desenvolvidos ao norte.

    Até 70 países mais pobres, com uma população combinada de 1,3 bilhão, provavelmente veriam o suprimento de alimentos cair mais de 20% em cinco anos, concluiu o estudo. A produção de milho nos EUA pode ser reduzida em até 20%, enquanto a Rússia pode ver sua produção de milho cortada pela metade. As culturas de trigo e soja provavelmente sofreriam um destino semelhante.

    Embora algumas regiões da América do Sul e da África possam ter um desempenho melhor sob os climas mais frios, não seria nem de longe suficiente para compensar as perdas em outros lugares.

    "Por mais horríveis que fossem os efeitos diretos das armas nucleares, mais pessoas poderiam morrer fora das áreas-alvo devido à fome", disse o coautor do estudo, Alan Robock, acrescentando que essas armas "podem ser usadas com consequências trágicas para o mundo".

    Mais:

    Paquistão refuta 'ameaça' de líder indiano e cita 'vitória' em recente conflito aéreo
    Paquistão critica acordo bilionário entre EUA e Índia e vê ação para desestabilizar região
    'Terrorismo da água': Índia e Paquistão agora trocam acusações sobre recursos hídricos
    Tags:
    bomba atômica, agricultura, ogivas nucleares, armas nucleares, guerra nuclear, Rússia, Paquistão, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar