13:29 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    171
    Nos siga no

    Um surto de gripe aviária, causado pela estirpe do vírus H5N6, foi noticiado em uma fazenda de codornas na província filipina de Nueva Ecija, localizada a 123 quilômetros ao norte da capital, Manila, de acordo com a mídia local.

    O secretário do Departamento de Agricultura das Filipinas, William Dar, informou que as autoridades locais relataram a morte de pelo menos 15.000 codornas em uma fazenda no mês de fevereiro.

    Segundo o jornal Philstar, os testes laboratoriais realizados em amostras retiradas da fazenda foram positivos para o H5N6.

    Nos esforços para conter a propagação do vírus, um total de 12.000 aves foram abatidas e enterradas, em meio a trabalhos de limpeza e desinfecção, bem como uma investigação para determinar a origem do vírus.

    Na segunda-feira (16), o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, anunciou que vai impor uma "quarentena comunitária reforçada" em toda a ilha de Luzon, onde vivem mais de 57 milhões de pessoas, para evitar a propagação do coronavírus.

    Caso na Alemanha

    No leste da Alemanha, um caso de gripe aviária também foi confirmado em uma fazenda de criação de frangos no estado da Saxônia, segundo a agência Reuters.

    Diferente do registrado nas Filipinas, o caso envolve a gripe aviária do tipo H5N8. Esta cepa já havia sido registrada em 2014 na Alemanha, Holanda e Reino Unido, além dos EUA.

    O H5N6 foi detectado pela primeira vez em 2015 e pode passar para humanos, embora sua taxa de mortalidade seja baixa.

    Assim como o resto do mundo, as Filipinas também estão na luta contra a propagação da COVID-19.

    Mais:

    Indiano destrói pintos e ovos avaliados em US$ 800 mil devido a fake news sobre coronavírus
    AIDS, gripe aviária e pragas: quão mortal é coronavírus comparado a pandemias históricas?
    Arábia Saudita registra surto de gripe aviária H5N8 altamente contagiosa
    Tags:
    Alemanha, Filipinas, novo coronavírus, COVID-19, gripe aviária
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar