18:46 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    O número de novos casos de coronavírus na China pode estar baixando, porém um especialista em saúde fez uma descoberta muito desagradável sobre os pacientes que já recuperaram.

    "Não devemos ficar tranquilos. Os números podem subir novamente", disse Zhao Jianping, médico que encabeça uma equipe de especialistas que está trabalhando para conter o surto da doença viral na província chinesa de Hubei.

    De acordo com Jianping, houve determinados casos em que os pacientes recuperados mostraram vestígios do vírus nos testes de ácido nucleico.

    Além disso, foram também obtidos resultados no Canadá onde as amostras coletadas para exames laboratoriais de duas pessoas que tinham recuperado da doença mostraram que elas ainda tinham vestígios do vírus, escreve portal news.com.au.

    "Isto é perigoso. Onde você vai colocar estes pacientes? Eles não podem ser enviados para casa porque podem infectar outras pessoas, também não podem ser mantidos no hospital sendo que os recursos são limitados", explicou Jianping.

    Nesta sexta-feira (21), o número de mortos da epidemia de COVID-19 na China subiu para 2.236 após de mais 118 terem falecido. A maioria dos casos foi registrada na província de Hubei onde o surto teve origem, informou o Governo chinês.

    A Comissão Nacional de Saúde informou na sua declaração diária que a China tinha confirmado 889 novos casos. A cifra é maior que a do dia anterior, quando foi relatado o menor número de novas infeções em quase um mês, o que trouxe esperança de que a epidemia estivesse próxima de chegar ao seu auge.

    No total, mais de 75.000 casos de infeção por coronavírus foram registrados na China, e várias centenas de casos em mais de 25 países.

    Mais:

    Ouro bate novo recorde em meio a medo do coronavírus e da política monetária dos EUA
    Coronavírus: Brasil tem apenas um caso suspeito
    Tags:
    Hubei, China, doença, infecção
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar