14:23 22 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    864
    Nos siga no

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, criticou a proposta de paz do presidente dos EUA, Donald Trump, para o Oriente Médio e prometeu apoiar o Paquistão na questão da Caxemira, enquanto fazia um discurso aos legisladores em Islamabad.

    Erdogan criticou o roteiro muito elogiado de Trump para Israel e Palestina enquanto falava no Parlamento do Paquistão nesta sexta-feira.

    "O plano [...] não é um projeto de paz, mas de fato um projeto de ocupação", alertou ele, conforme citado pela mídia local.

    O líder turco observou que Ancara "deu a maior reação" à iniciativa de Trump, que foi rapidamente rejeitada pelos palestinos e amplamente descartada em todo o mundo muçulmano como enviesada a favor de Israel. O plano inclui a criação de um Estado palestino "independente" na forma de múltiplos enclaves no território israelense.

    O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu elogiou o acordo do presidente dos EUA, dizendo que seu país está oferecendo à Palestina "soberania condicional e limitada".

    Depois que o plano de Trump foi revelado no final de janeiro, o Ministério das Relações Exteriores do Paquistão emitiu uma declaração afirmando apoio a uma solução de dois Estados dentro das fronteiras pré-1967 entre Israel e Palestina, com Jerusalém como capital palestina. Isso corresponde às demandas dos palestinos, que pedem a Tel Aviv que entregue os territórios que ocupou durante a Guerra dos Seis Dias de 1967. Trump, por outro lado, reconheceu Jerusalém como a capital de Israel.

    Vista da Cidade Velha de Jerusalém, por trás do muro construído por Israel, que separa a cidade histórica da cidade palestina de Abu Dis, na Cisjordânia ocupada, em 29 de janeiro de 2020
    © REUTERS / Ammar Awad
    Vista da Cidade Velha de Jerusalém, por trás do muro construído por Israel, que separa a cidade histórica da cidade palestina de Abu Dis, na Cisjordânia ocupada, em 29 de janeiro de 2020

    Caxemira

    Trump deve visitar a rival regional do Paquistão, a Índia, no final deste mês. Os dois países vêm trabalhando em vários acordos importantes de armas, incluindo a possível venda de um sofisticado sistema de defesa aérea americano para Nova Deli, recentemente aprovado pelo Departamento de Estado dos EUA. Na quinta-feira, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Paquistão, Aisha Farooqui, disse a repórteres que o acordo "desestabilizará ainda mais a região já volátil".

    Ao proferir um discurso aos parlamentares paquistaneses, Erdogan também abordou o conflito na Caxemira, dizendo que ele só pode ser resolvido "com base na justiça e na equidade" e através do diálogo. Ele prometeu que Ancara continuará apoiando o Paquistão nesta questão.

    As tensões entre a Índia e o Paquistão cresceram após Nova Deli encerrar a autonomia de longa data da disputada região da Caxemira no ano passado. As autoridades indianas argumentaram que as mudanças ajudarão na luta contra o terrorismo na região de maioria muçulmana e melhorarão a economia da Caxemira. Islamabad criticou fortemente a medida, dizendo que provocará violência no terreno.

    Mais:

    Trump bate na mesma tecla: EUA querem mediar disputa entre Índia e Paquistão na Caxemira
    Paquistão nega rumores sobre fundir a sua parte na Caxemira com o resto do país
    'Guerra santa' na Caxemira? Oposição no Paquistão pede conflito contra a Índia
    Tags:
    acordo, diplomacia, judeus, palestinos, Benjamin Netanyahu, Donald Trump, Jammu e Caxemira, Caxemira, Recep Tayyip Erdogan, Israel, Palestina, Índia, Paquistão, Estados Unidos, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar