13:35 22 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    150
    Nos siga no

    O MS Westerdam, com 2.257 pessoas a bordo, foi proibido de atracar nos portos de Taiwan, Japão, Guam (território insular dos EUA), Filipinas e Tailândia.

    As autoridades do Camboja aceitaram receber um cruzeiro recusado por cinco países do Sudeste Asiático em meio a temores de que alguns de seus passageiros possam estar infectados pelo coronavírus.

    O MS Westerdam, com 1.455 passageiros e 802 tripulantes a bordo, chegará ao porto cambojano de Sihanoukville nesta quinta-feira (13), comunicou a companhia operadora Holland America Line, segundo a agência Reuters.

    O barco saiu em 1º de fevereiro do porto de Hong Kong, onde já foram confirmados mais de 49 casos do coronavírus, e em duas semanas deveria visitar vários portos de Taiwan e Japão. Seu ponto final deveria ser o porto japonês de Yokohama, onde deveria atracar neste sábado (15).

    Contudo, dias após o início da viagem, o governo japonês anunciou que não deixará a embarcação atracar em seus portos. As autoridades de Taiwan, Guam (território insular dos EUA), Filipinas e Tailândia fizeram o mesmo.

    A operadora divulgou que o navio "não está em quarentena", e salientou que "não há motivos" para acreditar que alguém a bordo esteja infectado com o 2019-nCoV, que já levou a vida de mais de mil pessoas.

    Desde 3 de fevereiro, outro cruzeiro, o Diamond Princess, se encontra em quarentena no porto japonês de Yokohama, perto de Tóquio, assim que foi descoberto um caso positivo de infecção de um passageiro. O número total de infectados no mundo a bordo supera 170.

    Mais:

    Brasil segue livre de coronavírus com 8 casos suspeitos monitorados
    Coronavírus poderia infectar 60% da população mundial, afirma renomado médico
    Coronavírus: usar a máscara realmente nos protege do vírus?
    Tags:
    Camboja, coronavírus, quarentena, Ásia, cruzeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar