22:24 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    251
    Nos siga no

    O embaixador interino da China em Israel comparou o fechamento de fronteiras de vários países a cidadãos chineses devido ao coronavírus à rejeição de refugiados judeus durante o Holocausto. 

    Durante uma conferência em Tel Aviv, o diplomata Dai Yuming disse que "erros em limitar ou mesmo barrar a entrada de cidadãos chineses" recordava "os antigos dias, as antigas histórias que aconteciam na Segunda Guerra Mundial, o Holocausto, os dias mais sombrios da história humana". 

    "Milhões de judeus foram mortos, e muitos, muitos judeus foram recusados quando tentaram procuram ajuda de outros países. Apenas pouco, muito poucos países abriram suas portas, entre eles a China", disse Dai, segundo publicado pela agência AP. 

    Embaixada se desculpou pela declaração

    Após a repercussão negativa da declaração, a Embaixada chinesa em Israel divulgou uma nota de desculpando. 

    "Gostaríamos de nos desculpar se alguém entendeu nossa mensagem da maneira errada", afirmou o comunicado. "Não houve nenhuma intenção de comparar os dias sombrios do Holocausto com a situação atual e os esforços feitos pelo governo de Israel para proteger seus cidadãos". 

    Israel cancelou os voos diretos para a China e o governo autorizou que estrangeiros que visitaram o país asiático nas últimas duas semanas sejam proibidos de entrar em território israelense. 

    Vários países do mundo vem adotando medidas semelhantes. Hoje, os EUA anunciaram que vão proibir a entrada no país de estrangeiros que viajaram para a China nos últimos 14 dias. 

    Número de mortos na China chegou a 361

    O número de mortes pelo novo coronavírus chegou a 361 na China, ultrapassando a contagem de vítimas fatais do surto de SARS entre 2002 e 2003. 

    O vírus se espalhou e foram notificados cerca de 150 casos em mais de 20 países. A primeira morte fora da China, de um homem de 44 anos nas Filipinas, foi confirmada neste domingo. 

    O surto do novo coronavírus levou a Organização Mundial de Saúde (OMS) a declarar emergência internacional de saúde pública no início desta semana, apesar da entidade reconhecer que a China demonstra uma resposta robusta à doença. 

    Mais:

    Brasil decide repatriar brasileiros de cidade chinesa que é epicentro do coronavírus
    Uber suspende 240 contas no México por suspeita de coronavírus
    Coronavírus: China ainda não respondeu à oferta de ajuda dos EUA, diz assessor de Trump
    OPEP discutirá impacto do coronavírus no preço do petróleo
    Tags:
    surto, doença, saúde, EUA, OMS, Israel, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar