18:49 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    120
    Nos siga no

    A cidade de Xangai fechou todos os seus cinemas durante o feriado do Ano Novo Lunar, que vai até o dia 30 de janeiro, devido ao surto de coronavírus na China. 

    Além disso, o lançamento de sete filmes chineses, programados para ocorrer durante a festa, tiveram que ser adiados, segundo publicado pela agência Reuters.

    A semana do do Ano Novo Lunar costuma ser a época que mais recebe público nos cinemas do país. 

    Epicentro da doença recebe 450 profissionais médicos

    Além disso, 450 funcionários de saúde, alguns com experiência no combate ao ebola e outros tipos de coronavírus, foram enviados para Wuhan, cidade onde o surto começou. 

    Os especialistas chegaram em um avião militar na noite de sexta-feira (24). Eles foram encaminhados para hospitais com grande números de infectados, de acordo com a agência estatal Xinhua. 

    A China vem adotando várias medidas para tentar combater a disseminação da doença. Cerca de 23 milhões de pessoas foram colocadas em quarentena. O coronavírus já matou 26 pessoas e infectou mais de 890. 

    Identificado pela primeira vez no final de dezembro de 2019, a doença pulmonar foi recentemente confirmada pela China e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um noto tipo de coronavírus, que vem sendo chamado de 2019-nCoV ou novo coronavírus.

    Após se espalhar por algumas localidades chinesas, como Pequim e Xangai, o vírus foi registrado Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão, Vietnã, Singapura e Tailândia. Apesar dos casos em outros países, a OMS disse na quinta-feira (23) que era muito cedo para declarar uma emergência global sobre a doença.

    Mais:

    Para conter coronavírus, hospital será construído em 6 dias na China
    Como a China e outros países combatem surto de novo coronavírus
    Encomendas da China e coronavírus: há algum perigo?
    Tags:
    Xangai, Ano Novo Lunar, Cinema, médicos, vírus, doença, saúde, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar