16:46 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 150
    Nos siga no

    Novas tarifas de Washington impostas às importações chinesas, conhecidas como list 4B, poderiam entrar em vigor em quinze de dezembro. No entanto, se as maiores economias do planeta conseguirem selar a primeira fase do acordo comercial, é provável que estas taxas não sejam aplicadas.

    Por sua parte, o presidente dos Estados unidos, Donald Trump, já advertiu que sua assinatura poderia esperar até a celebração das eleições em 2020. Se Washington escalar a guerra comercial contra a China, Pequim ainda tem mais uma "carta na manga" que poderia utilizar como parte de seu poder brando para mostrar seu descontentamento.

    Trata-se de sua influência sobre o turismo. O gigante asiático usou uma tática semelhante no passado para poder influenciar os países vizinhos, como as Coreias, comenta o jornalista Edwart White para o Financial Times.

    As operadoras de turismo na Coreia do Sul foram afetadas pelo veto imposto a viagens de grupos chineses ao país. Como resultado, o fluxo turístico caiu a quase metade em 2017, ficando em 4,2 milhões de pessoas, frente aos oito milhões acolhidos em 2016.

    O uso desta ferramenta de pressão acompanhou o ambiente econômico hostil enfrentado por empresas sul-coreanas como a Hyundai e a Samsung no mercado chinês. Hoje em dia, os telefones produzidos pela fabricante sul-coreana ocupam somente 1% do mercado chinês, enquanto a venda de veículos produzidos pela Hyundai caiu a 790 mil, frente a 1,1 milhão em 2016.

    Ao passo que a indústria sul-coreana ainda não recuperou sua posição na China, a situação no setor turístico demonstrou sinais de melhoras. O número de turistas chineses que visitaram o país vizinho superou os cinco milhões em outubro deste ano.

    Turistas chineses tiram fotos diante de monumento em Washington
    © AP Photo / Bani Sapra
    Turistas chineses tiram fotos diante de monumento em Washington

    Após a visita do conselheiro estatal da China, Wang Yi, a Seul, vários funcionários sul-coreanos comunicaram que ambas as partes acordaram em normalizar por completo as relações bilaterais. Segundo analistas, os vínculos mais estreitos entre ambos os países asiáticos ameaça a influência norte-americana na região.

    A Coreia do Sul não foi o único país a experimentar a pressão dos fluxos de turistas chineses sobre sua economia. Por exemplo, uma situação completamente distinta ocorreu na Coreia do Norte, na qual o turismo chinês está alcançando novos recordes.

    O pesquisador sul-coreano Kim Hangyu estimou que o número de turistas chineses na Coreia do Norte superará 1,2 milhão de pessoas neste ano, se tornando uma importante fonte de divisas para um dos Estados mais isolados do mundo.

    Mais:

    Escadaria do icônico vilão Coringa atrai atenção de turistas de todo mundo
    China testará em breve criptomoeda própria em busca da soberania financeira
    China garante para UE: somos sócios com benefícios e não concorrentes de soma zero
    Tags:
    China, turismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar