04:00 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    7115
    Nos siga no

    Secretário de defesa dos EUA afirmou que seu objetivo é deslocar tropas norte-americanas do Oriente Médio para a Ásia Pacífico. Estratégia do Pentágono deve centrar-se no confronto com Rússia e China e reduzir o foco na guerra contra o terror.

    Durante o Fórum Reagan de Defesa Nacional, realizado neste sábado (7) o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, afirmou estar empenhado em relocar tropas do país e priorizar a região da Ásia Pacífico.

    "O que eu quero fazer é realocar as tropas", disse Esper, quando questionado sobre a redução do contingente dos EUA no Afeganistão.

    "Esse é o meu teatro prioritário", ressaltou, referindo-se à Ásia-Pacífico. "Eu não estou olhando somente para o Afeganistão", mas também "para todos os locais onde eu possa liberar tropas".

    Durante o Fórum Reagan de Defesa Nacional o Secretário de Estado disse "O ambiente se apresenta para nós com uma série de desafios que precisamos ultrapassar, competir, dissuadir e, se necessário, lutar as guerras de amanhã". Minha prioridade é realocar forças para a região da Ásia-Pacífico para competir com a China.  

    O Secretário quer utilizar as tropas liberadas para "competir com a China, para assegurar os nossos aliados, conduzir exercícios e treinamentos", explicou.

    'Nossa vantagem de combate em relação aos nossos competidores estratégicos está sendo desafiada", disse Esper.

    A estratégia do Pentágono deve centrar-se no confronto com Rússia e China e reduzir o foco na guerra contra o terror, reportou a Bloomberg.

    "Rússia e China [...] estão modernizando suas Forças Armadas e buscando poder de veto em relação às decisões econômicas e securitárias de outras nações", argumentou.

    Posto de supervisão na base militar abandonada dos EUA no povoado de Dadat, pero de Manbij, Síria
    © Sputnik / Mikhail Alaeddin
    Posto de supervisão na base militar abandonada dos EUA no povoado de Dadat, pero de Manbij, Síria

    Quando perguntado se a reorientação para a Ásia poderia prejudicar a presença dos EUA no Oriente Médio, Esper concedeu: "Bom, claro. Eu tenho que lidar com isso, meus predecessores [também] tiveram que lidar com isso".

    "Nós temos uma estratégia, mas você deve lidar com o mundo real e não com aquele que você gostaria que existisse no papel", notou Esper.  

    Apesar dos planos de deslocamento de tropas para a Ásia, os EUA aumentaram a sua presença militar no Oriente Médio para proteger as rotas de exportação de petróleo da Arábia Saudita, após os ataques às instalações da empresa petrolífera Saudi Aramco, em setembro deste ano.

    Instalações petrolíferas da Saudi Aramco atacadas por drones na Arábia Saudita
    © Foto / RT
    Instalações petrolíferas da Saudi Aramco atacadas por drones na Arábia Saudita

    Para o secretário, os Estados Unidos devem garantir que tem "forças mobilizadas o suficiente" no Oriente Médio para 'defender a ordem internacional e deter o mau comportamento iraniano", disse.

    O Fórum Reagan de Defesa Nacional foi celebrado neste sábado (7), em Simi Valley, na Califórnia.

    Mais:

    Trump aparece de surpresa no Afeganistão e retoma negociação com Talibã
    OTAN asiática: poderia China criar uma aliança militar com seus vizinhos?
    'Desafios': OTAN indica pela 1ª vez a sua preocupação com gastos militares da China
    Tags:
    Arábia Saudita, petróleo, Afeganistão, Rússia, China, Ásia-Pacífico, Ásia, secretário de defesa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar