02:51 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Polícia indiana durante detenção de suspeitos (arquivo)

    Autoridades indianas anunciam prisão de 120 bengalis sob acusação de terrorismo

    © AP Photo / Altaf Qadri
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 0 0
    Nos siga no

    Em meio a preocupações com o aumento das atividades de grupos terroristas de Bangladesh na Índia, 120 bengalis foram presos pelas autoridades indianas nos últimos cinco anos, anunciou o ministro de Assuntos Internos.

    Segundo Gangapuram Kishan Reddy, quase metade dos suspeitos seriam do estado de Assam, na fronteira com o país vizinho.

    "De acordo com as informações disponíveis, as forças de segurança prenderam um total de 120 terroristas pertencentes ao Jamaat-ul-Mujahideen Bangladesh (JMB) no país nos últimos cinco anos", disse o ministro, respondendo a um questionamento na câmara alta do parlamento indiano.

    O Ministério de Assuntos Internos da Índia declarou o JMB uma organização terrorista, destacando informações de inteligência sobre planos do grupo de estabelecer bases permanentes ao longo da fronteira.

    Em outubro, a Agência Nacional de Investigação da Índia (NIA) disse que o JMB estava tentando aumentar a presença no país e que havia obtido uma lista com o nome de 125 suspeitos.

    Reddy destacou que as questões relacionadas ao terrorismo estavam sendo tratadas com Bangladesh bilateralmente, sob cooperação em segurança entre os países.

    "Compartilhar informações de inteligência entre as agências envolvidas é um processo contínuo", afirmou ele.

    Mais:

    Índia elimina terrorista paquistanês mais procurado de Caxemira
    Índia realiza ataques aéreos contra 'acampamento terrorista' no Paquistão
    Índia quer ver Paquistão rebaixado em lista de financiamento do terrorismo
    Índia aumenta frota de navios-patrulha após 'ameaça de invasão terrorista'
    Tags:
    inteligência, segurança, NIA, terroristas, prisão, terrorismo, Bangladesh, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar