18:06 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestante em Hong Kong envolto na bandeira dos EUA, em 1º de dezembro de 2019

    China proíbe entrada de navios militares e veta ONGs dos EUA por 'interferência' em Hong Kong

    © AP Photo / Ng Han Guan
    Ásia e Oceania
    URL curta
    12502
    Nos siga no

    Nesta segunda-feira (02), a China proibiu o acesso de embarcações militares dos EUA a Hong Kong e impôs sanções a ONGs norte-americanas acusadas de encorajar manifestantes a cometer atos de violência.

    As medidas são uma resposta à nova legislação norte-americana, aprovada na semana passada, que apoia aos protestos em Hong Kong e ameaça a China com sanções econômicas.

    "Conclamamos os EUA a corrigirem os seus erros e a deixarem de interferir em nossos assuntos internos. Se necessário, a China tomará medidas adicionais para garantir a estabilidade [...] de Hong Kong e a soberania da China", disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying.

    Há temor de que o impasse em relação a Hong Kong possa dificultar os esforços para acabar com a guerra comercial entre Washington e Pequim, reportou a Reuters.

    Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chuneing, durante briefing à imprensa
    © AP Photo / Ng Han Guan
    Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chuneing, durante briefing à imprensa

    Os navios de guerra norte-americanos visitam Hong Kong frequentemente, em uma tradição anterior à transferência da soberania do território da Grã-Bretanha para a China, em 1997. Pequim permitiu que a tradição se mantivesse.

    "Temos um longo histórico de visitas ao porto de Hong Kong", disse uma fonte do Departamento de Estados dos EUA. "Esperamos que isso continue", concluiu.

    O porta-voz do Pentágono, tenente-coronel Dave Eastburn, disse que as visitas fazem parte de programa para "dar liberdade para os nossos marinheiros e expandir laços interpessoais com nossos anfitriões".

    Sanções a ONGs norte-americanas

    Pequim impôs sanções a diversas organizações não governamentais (ONGs) sediadas nos Estados Unidos, alegando haver evidências de que as mesmas estariam apoiando os protestos contra o governo e instigando manifestantes a cometerem atos de violência extrema em Hong Kong.

    "[Essas ONGs devem] se responsabilizar pelo caos em Hong Kong, devem ser sancionadas e pagar o preço", disse Hua.
    Manifestante atira coquetel molotov em uma estação de trem de Hong Kong, em 1 de dezembro de 2019
    © REUTERS / Leah Millis
    Manifestante atira coquetel molotov em uma estação de trem de Hong Kong, em 1 de dezembro de 2019

    As entidades sancionadas são o Instituto Nacional Democrático para Assuntos Internacionais, o Instituto Republicano Internacional, a Human Rights Watch, a Freedom House e o Fundo Nacional para a Democracia (NED, na sigla em inglês).

    Mais:

    Oficial chinês sugere ações 'mais eficazes' de Hong Kong para conter protestos
    Analistas esclarecem: Trump está usando protestos em Hong Kong para negociar com a China?
    Hong Kong: polícia enfrenta mais um fim de semana de manifestações
    Tags:
    ONGs, interferência estrangeira, protestos, Hong Kong, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar