20:15 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    7111
    Nos siga no

    China diz que a política dos EUA está aumentando a instabilidade na região, e pede uma abordagem abrangente para tentar resolver os conflitos.

    Chen Xiaodong, vice-ministro das Relações Exteriores da China, apelidou a política dos EUA de "egoísta e unilateral", afirmando, durante a abertura do Fórum de Segurança do Oriente Médio em Pequim, que ela é a principal causa da difícil situação de segurança no Oriente Médio.

    "A situação no Oriente Médio está longe de ser pacífica hoje, as tensões nos 'locais de conflito' estão aumentando, com a instabilidade política e a crise continuando a prejudicar vários países da região", disse o responsável.

    Segundo ele, "a situação atual no Oriente Médio é resultado de uma série de fatores", incluindo o aumento das tensões étnicas, geopolíticas e religiosas.

    Entre esses fatores, destacou que "os EUA, sendo a única superpotência do mundo e tendo tremenda influência no Oriente Médio, estão seguindo uma política egoísta e unilateral que beneficia os mais fortes à custa dos fracos, continuando este a ser o principal fator na difícil situação de segurança da região".

    "A paz global continuará sendo uma ilusão se a segurança no Oriente Médio não for garantida", sublinhou Chen Xiaodong.

    Terrorismo no Oriente Médio

    Outro dos grandes problemas na região é o terrorismo, referiu durante a abertura do evento o vice-ministro das Relações Exteriores da China.

    Xiaodong enfatizou a necessidade de "uma estratégia antiterrorista abrangente" para "reforçar a segurança no Oriente Médio".

    "Precisamos de adotar uma abordagem que abranja tanto os sintomas como as causas profundas, cortando o financiamento do terrorismo e reforçando a cooperação prática em matéria de transferência de suspeitos de terrorismo, controlo das fronteiras e partilha de informações", recomenda o político chinês.

    Ele também criticou a dualidade de critérios na abordagem antiterrorista.

    "A comunidade internacional deve abandonar qualquer dualidade de critérios na luta contra o terrorismo e a prática de ligar o terrorismo a qualquer religião em particular", disse.

    O vice-ministro acrescentou que os direitos humanos não devem ser usados como pretexto para criticar os esforços de outros países na luta contra o terrorismo e o radicalismo.

    Mais:

    EUA querem criar pseudo-Estado ilegal na Síria oriental, afirma chanceler russo
    General dos EUA avalia probabilidade de conflito com militares russos na Síria
    Não era o fim? EUA recomeçam intervenção contra Daesh na Síria
    Tags:
    terrorismo, Oriente Médio, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar