23:25 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente dos EUA, Donald Trump, conversa com o presidente chinês, Xi Jinping. EUA impuseram tarifas às importações de produtos chineses, dando início à guerra comercial entre as duas potências econômicas

    China quer acordo comercial dos EUA, mas 'não tem medo' de lutar, afirma Xi

    © AP Photo / Andy Wong, File
    Ásia e Oceania
    URL curta
    590
    Nos siga no

    A China quer chegar a um acordo comercial inicial com os Estados Unidos, declarou o presidente Xi Jinping nesta sexta-feira, mas "não tem medo" de revidar quando necessário e promulgará reformas econômicas em seu próprio ritmo.

    É raro que Xi fale tão diretamente sobre a guerra comercial, e seus comentários foram feitos dois dias depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, reclamou que Pequim não havia feito concessões suficientes até agora, o que o deixou relutante em concluir uma barganha.

    As duas maiores economias do mundo estão presas a um conflito comercial contundente há mais de um ano, atingindo-se com saraivadas de tarifas em centenas de bilhões de dólares em mercadorias.

    "Como sempre dissemos, não queremos começar a guerra comercial, mas não temos medo", afirmou Xi a ex-autoridades americanas e outros dignitários estrangeiros em uma reunião no Grande Salão do Povo de Pequim.

    "Quando necessário, combateremos, mas estamos trabalhando ativamente para tentar não ter uma guerra comercial", prosseguiu ele ao grupo, que incluía o ex-secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger, o ex-secretário do Tesouro dos EUA Henry Paulson, e o ex-assessor econômico de Trump Gary Cohn.

    Divergências

    Em 11 de outubro, Trump anunciou um acordo de "primeira fase" que resolve importantes queixas americanas sobre práticas comerciais e cambiais chinesas. Mas os dois lados ainda não assinaram o acordo.

    O ministério do comércio chinês disse que os principais negociadores comerciais tiveram discussões "construtivas" por telefone no último sábado. A China insistiu em uma reversão das tarifas existentes, com as quais Trump disse que não concordou. As autoridades americanas querem grandes compras de exportações agrícolas dos EUA.

    A aprovação do Congresso dos EUA nesta semana de legislação que apoia manifestantes pró-democracia em Hong Kong também lançou uma sombra sobre as negociações.

    "Queremos trabalhar para um acordo de primeira fase com base no respeito mútuo e na igualdade", disse Xi aos visitantes estrangeiros, que estavam na cidade para o Fórum de Nova Economia da Bloomberg.

    O líder chinês destacou que as negociações comerciais "podem afetar as perspectivas futuras da economia mundial" e a China mantém uma "atitude positiva".

    Diana Choyleva, economista-chefe da Enodo Economics, avaliou que os comentários de Xi não significam que Pequim esteja prestes a entrar na ofensiva, mas mostra que "não vai se mexer".

    Encontro entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder da China, Xi Jinping em Mar-a-Lago, Palm Beach, Flórida, 6 de abril de 2017
    © AP Photo / Alex Brandon
    Encontro entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder da China, Xi Jinping em Mar-a-Lago, Palm Beach, Flórida, 6 de abril de 2017

    "O estilo de negociação e a falta de confiança que Trump criou [...] o fizeram [Xi] a estar muito determinado que não há motivo para realmente desistir de muita coisa", comentou Choyleva no Fórum da Nova Economia.

    Xi renovou o compromisso da China de reformar e abrir sua economia, mas alertou que tem sido "muito cauteloso e rigoroso" ao fazê-lo.

    "Não podemos arcar com nenhum erro fundamental ou drástico. Se um navio gigante como a China vira o navio, ele não pode ser virado", sentenciou.

    Trump lançou sua guerra comercial em março de 2018, exigindo que a China acabasse com práticas amplamente vistas como injustas - como transferências forçadas de tecnologia de empresas americanas e subsídios maciços concedidos a empresas chinesas.

    A China precisa avançar nas reformas das empresas estatais e proteger os direitos de propriedade intelectual, rebateu Xi.

    "Isso não é algo imposto a nós. Estamos fazendo isso por nossa iniciativa", afirmou.

    Xi disse ter dito à chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, que o conheceu anteriormente, que a China continuará no caminho da reforma e abertura financeira, mas "a condição prévia é que garantamos a segurança da soberania financeira de nosso país".

    Polêmica do 5G

    A tecnologia é outra grande frente da guerra comercial, com Washington irritando Pequim ao impor sanções à gigante de telecomunicações Huawei, em meio a preocupações dos EUA de que seu equipamento possa ser usado para espionagem chinesa. Xi alertou que uma "cortina tecnológica de ferro" "afetaria a perspectiva futura da humanidade".

    Paulson, o ex-chefe do Tesouro dos EUA, disse a Xi que a tecnologia sem fio 5G pode ser "uma área potencial de conflito ou cooperação para a China e os EUA".

    "Acredito que a chave para minimizar o conflito é se podemos desenvolver padrões compartilhados para tecnologias emergentes", analisou.

    Kissinger, que alertou no fórum na quinta-feira que a guerra comercial pode se transformar em conflito armado, declarou a Xi que "nossas nações precisam cooperar para que exista uma ordem internacional próspera".

    Xi também invocou seu "sonho chinês" de rejuvenescimento nacional - seu objetivo de restaurar o gigante asiático ao seu devido lugar no mundo.

    "Não é um sonho sobre hegemonia, não é sobre substituir outros", disse o chefe do Partido Comunista. "Estamos apenas tentando restaurar nosso lugar e papel no mundo, em vez de reviver os dias humilhantes da era semi-colonial e semi-feudal. Não reviveremos esses dias novamente", completou.

    Mais:

    Modesto arsenal nuclear da China está mudando, diz mídia
    Pequim insta Washington a pôr fim a provocações em águas reivindicadas no mar do Sul da China
    Bitcoin em queda livre: criptomoeda tem pior cotação em 6 meses após nova ofensiva da China
    Tags:
    relações bilaterais, diplomacia, FMI, comércio, economia, guerra comercial, Gary Cohn, Henry Kissinger, Donald Trump, Xi Jinping, Bloomberg, Pequim, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar