18:30 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Adoração de estátuas de bronze dos ex-líderes da Coreia do Norte, Kim Jong-il e Kim Il-sung, para comemorar o aniversário do fim do domínio colonial japonês

    Coreia do Norte diz que boa relação entre Trump e Kim não basta para salvar acordo

    © AP Photo / Ng Han Guan
    Ásia e Oceania
    URL curta
    270
    Nos siga no

    Pyongyang afirmou neste domingo (27) que os EUA tentam "isolar" a Coreia do Norte de maneira "cruel" e que as relações entre seus líderes não bastam para prevenir o deterioramento do diálogo dos dois países.

    Em declaração divulgada pela agência estatal norte-coreana de notícias (KCNA), o alto oficial Kim Yong Chol disse que não há progressos substanciais no diálogo entre as duas nações, apesar das relações próximas entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. 

    "As relações pessoais próximas nunca podem ser mantidas à parte da opinião pública e jamais são garantia para prevenir que a relação entre os Estados Unidos e a República Popular da Coreia se agravem", afirmou o diretor do Comitê da Coreia para a Paz na Ásia-Pacífico, segundo publicado pela agência AFP. 

    Apesar de Trump e Kim Jong-un terem se encontrado duas vezes, o funcionário norte-coreano disse que "há um limite para tudo". Os dois líderes costumam trocar afagos e declarações de respeito, mas as conversas se estagnaram após fevereiro, quando a reunião entre o presidente americano com o líder norte-coreano em Hanói, no Vietnã, terminou sem acordo. 

    Coreia do Norte denuncia 'crueldade' dos EUA

    Kim Yong Chol afirmou ainda que os EUA estariam "seriamente equivocados" se ignorassem o limite, que vence no final do ano, estabelecido pela Coreia da Norte para se chegar a termos aceitáveis para um acordo sobre a questão nuclear. 

    O alto oficial disse ainda que os EUA estavam irritando a Coreia do Norte ao exigir uma "desnuclearização final e completamente verificada", enquanto pressiona outros países a aumentar as sanções contra a nação asiática. Kim Yong Chol acusou Washington de tentar "isolar e sufocar" a Coreia do Norte de "maneira mais ardilosa e cruel do que antes". 

    A declaração norte-coreana chega dias após Trump afirmar que ele e Kim Jong-Un têm "respeito" um pelo outro. Em retribuição, Pyongyang disse logo depois que a relação entre os dois era "especial". 

    Após trocarem insultos em 2017, os dois líderes se aproximarem e realizaram um primeiro encontro histórico em 2018. Nas negociações, os EUA pedem a desnuclearização da Coreia do Norte, enquanto Pyongyang quer o levantamento das sanções contra sua economia. 

    Em 2 de setembro, os norte-coreanos realizaram testes com mísseis, mas os EUA afirmaram que as conversas poderiam continuar mesmo assim.

    Mais:

    Japão considera China mais perigosa que Coreia do Norte
    Coreia do Norte alerta contra reunião do Conselho de Segurança da ONU após testes de mísseis
    Sofisticados e poderosos: revista americana analisa novos mísseis da Coreia do Norte
    Coreia do Norte revela condições para negociar desnuclearização com EUA
    Tags:
    sanções, diplomacia, acordo, nuclear, Donald Trump, Kim Jong-un, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar