15:08 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Ferido em explosão de mesquisa na província de Nangarhar, no Afeganistão, é carregado por voluntários

    Explosão em mesquita no Afeganistão deixa dezenas de mortos

    © AFP 2019 / Noorullah Shirzada
    Ásia e Oceania
    URL curta
    401
    Nos siga no

    Um ataque contra uma mesquita na província de Nangarhar, no Afeganistão, deixou pelo menos 62 pessoas mortas e cerca de 60 feridos nesta sexta-feira (18).

    "Attaullah Khogyani, porta-voz do governador de Nangarhar, confirma que 62 pessoas morreram e quase 60 ficaram feridas durante a oração de sexta-feira por causa das explosões de hoje em uma mesquita na região de Jaw Dara, no distrito de Haska Meyna de Nangarhar", segundo publicou pelo Twitter o canal Tolo News.  

    A agência Pajhworf informou que as explosões foram causadas pelo lançamento de foguetes. O impacto no templo provocou a derrubada do teto da mesquita, que acabou atingindo os fiéis. Há crianças e mulheres entre as vítimas. 

    Até o momento, nenhum grupo assumiu a autoria do atentado. No entanto, um porta-voz do grupo Talibã condenou o ataque desta sexta-feira. 

    Afeganistão vive período de turbulência

    Apesar da forte presença militar dos Estados Unidos e aliados, o Afeganistão vive um período instável devido aos ataques realizados pelos talibãs e, desde 2015, pelo Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e vários outros países). 

    Até o momento, os talibãs condicionam o processo de paz à retirada das tropas estrangeiras. O movimento insiste em formalizar o calendário de negociações com os EUA, e não com o governo afegão. 

    A Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (Unama) registrou entre janeiro e setembro deste ano 8.239 vítimas civis em ataques, sendo 2.563 mortos e 5.676 feridos. 

    Em comunicado divulgado nesta quinta-feira (17), a ONU afirmou que o conflito no país está provocando um número recorde de vítimas fatais, e que em julho morreram mais civis do que em qualquer outro mês desde que as estatísticas começaram a ser contabilizadas. 

    "As cifras recorde de baixas civis mostram claramente a necessidade de que todas as partes prestem muito mais atenção à proteção da população civil, o que inclui um exame exaustivo das condutas em combate", afirmou Tadamichi Yamamoto, representante especial do secretário-geral da ONU para o Afeganistão, segundo publicado pela agência AP.

    Mais:

    Nova Rota da Seda trava declaração do Conselho de Segurança da ONU sobre Afeganistão
    China confirma encontro com delegação do Talibã
    Sob ameaças do Talibã, Afeganistão vai às urnas para escolher presidente
    Política Externa dos EUA no Oriente Médio é constrangedora, diz especialista
    Tags:
    daesh, Talibã, terrorismo, ataques, mesquita, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar