15:06 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras americanas e indianas

    Índia não sacrificará sua força econômica para cumprir sanções dos EUA, diz ministra

    © AP Photo / Gurinder Osan
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5220
    Nos siga no

    A ministra das Finanças da Índia, Nirmala Sitharaman, declarou que os fundamentos econômicos e as vantagens estratégicas da sua nação não serão sacrificados por pressões externas, incluindo pelas ameaças de sanções.

    Em entrevista à Reuters, a ministra das Finanças, Nirmala Sitharaman, afirmou que a Índia deve cumprir as sanções globais, incluindo as sanções dos Estados Unidos, sem ignorar interesses estratégicos e nacionais indianos.

    "Em questões específicas que são críticas para os interesses estratégicos da Índia, explicamos aos Estados Unidos que a Índia é um parceiro estratégico para os Estados Unidos da América, e espera-se que um parceiro estratégico seja forte e não fraco", disse a ministra à agência.

    "Valorizamos a forte parceria com os EUA, mas também devemos poder ser uma economia forte", adicionou.

    Os Estados Unidos impuseram sanções à Venezuela, ao Irã e à Rússia. Washington advertiu seus "aliados e parceiros" de que iriam enfrentar sanções se optassem pelo contínuo da compra de equipamento militar russo.

    Posição da Índia

    Nova Deli deixou claro para Washington que comprar equipamento militar da Rússia é um "direito soberano".

    O chanceler indiano, Subrahmanyam Jaishankar, afirmou em outubro estar "razoavelmente convencido" de que os Estados Unidos compreenderiam a decisão de Nova Deli de comprar equipamento avançado de defesa da Rússia, incluindo o sistema de defesa antiaérea S-400.

    Enquanto isso, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu a projeção de crescimento da economia indiana para 6,1%. Esta é a segunda vez em sete meses que o FMI reduziu a projeção de crescimento da economia indiana.

    "No caso da Índia, houve um impacto negativo no crescimento, que vem de vulnerabilidades financeiras e do setor financeiro não bancário e seu impacto no empréstimo a consumidores por pequenas e médias empresas", disse Gita Gopinath, economista-chefe do FMI e diretora do Departamento de Pesquisa.

    Gopinath acrescentou que, embora o governo indiano tenha tomado algumas medidas, muito mais precisa ser feito para que o crescimento econômico da Índia se recupere e alcance 7%.

    Mais:

    Índia vai aumentar tarifas para produtos dos EUA em resposta à retirada de privilégios comerciais
    Especialista explica por que Índia não desiste dos sistemas russos S-400 apesar da pressão dos EUA
    Senado dos EUA passa lei que aproxima Índia no setor de Defesa
    Tags:
    economia, força, sanções, EUA, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar