13:30 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Explosão nuclear (imagem de arquivo)

    Guerra nuclear entre Índia e Paquistão pode matar 100 milhões e teria impacto global

    © Depositphotos / Curraheeshutter
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4172
    Nos siga no

    Artigo publicado na AFP na quarta-feira (2) prevê que uma guerra nuclear entre Índia e Paquistão causaria mais de 100 milhões de mortes imediatas.

    Mas a tragédia iria além das mais de 100 milhões de mortes imediatas, pois uma fome em massa atingiria todo o planeta à medida que entramos em um novo período de resfriamento, com temperaturas não vistas desde a última Era Glacial.

    O cenário estimado pelo trabalho mostra o ano é 2025, no qual militantes atacaram o Parlamento indiano, matando a maioria de seus líderes. Nova Déli retalia, enviando tanques para a parte da Caxemira controlada pelo Paquistão.

    Temendo que seja invadida, Islamabad atinge as forças invasoras com suas armas nucleares no campo de batalha, desencadeando uma troca crescente que se torna o conflito mais mortal da história e envia milhões de toneladas de fumaça preta e espessa para a atmosfera superior.

    O artigo com o cenário trágico aparece em um momento de renovadas tensões entre os dois rivais do sul da Ásia, que travaram várias guerras pelo território da maioria muçulmana da Caxemira e estão rapidamente construindo seus arsenais atômicos.

    Atualmente, cada um deles tem cerca de 150 ogivas nucleares à sua disposição, e o número deverá subir para mais de 200 em 2025.

    "Infelizmente, é oportuno porque a Índia e o Paquistão continuam em conflito pela Caxemira, e todos os meses você pode ler sobre pessoas morrendo na fronteira", afirmou à Agência AFP Alan Robock, professor de ciências ambientais da Universidade Rutgers, coautor do artigo no site Science Advances.

    O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, retirou a autonomia da parte da Caxemira controlada por Nova Déli em agosto, com seu homólogo paquistanês Imran Khan avisando na semana passada que a disputa poderia se transformar em guerra nuclear.

    Confrontos entre muçulmanos xiitas e a polícia na região de Caxemira
    © AP Photo / Dar Yasin
    Confrontos entre muçulmanos xiitas e a polícia na região de Caxemira

    Os dois países lutaram pela última vez em um conflito de fronteira em fevereiro, mas o embate arrefeceu depois que o Paquistão devolveu um piloto abatido à Índia.

    Mortes em massa e resfriamento

    Com base em suas populações atuais e nos centros urbanos que provavelmente seriam alvos, os pesquisadores estimaram que até 125 milhões de pessoas poderiam ser mortas se fossem usadas armas de 100 quilotons - mais de seis vezes a potência das bombas lançadas em Hiroshima.

    Para referência, cerca de 75 a 80 milhões de pessoas foram mortas na Segunda Guerra Mundial. Mas isso seria apenas o começo.

    A pesquisa constatou que tempestades de fogo em massa desencadeadas pelas armas nucleares em explosão poderiam liberar 16 a 36 milhões de toneladas de fuligem (carbono preto) na atmosfera superior, espalhando-se pelo mundo em semanas.

    A fuligem, por sua vez, absorveria a radiação solar, aquecendo o ar e levando ao aumento da fumaça. A luz solar atingindo a Terra diminuiria de 20 a 35%, esfriando a superfície de 2 a 5 graus Celsius e reduzindo a precipitação em 15 a 30%.

    A escassez mundial de alimentos se seguiria, com os efeitos persistindo até uma década.

    "Espero que nosso trabalho faça as pessoas perceberem que você não pode usar armas nucleares, elas são armas de genocídio em massa", explicou Robock, acrescentando que o jornal deu mais evidências para apoiar o Tratado da ONU sobre a Proibição de Armas Nucleares, de 2017.

    "Dois países com um número menor de armas nucleares do outro lado do mundo ainda ameaçam o planeta, então não é algo que possamos ignorar", concluiu.

    Mais:

    Paquistão divulga VÍDEO de suposto ataque aéreo na região da Caxemira
    Ministro inflama relações com o Paquistão: 'a Caxemira será toda da Índia'
    Paquistão confia na mediação da Rússia para conflito na Caxemira
    Tags:
    Hiroshima, Jammu e Caxemira, Caxemira, relações bilaterais, diplomacia, armas nucleares, guerra nuclear, Paquistão, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar