22:15 16 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    221
    Nos siga no

    Novas restrições foram impostas nesta sexta-feira no vale da Caxemira, onde o bloqueio a partes de seu território já dura 40 dias, em meio a intenções de Nova Deli de retirar o status especial da região.

    Forças de segurança indianas impuseram um toque de recolher na cidade de Kishtwar nesta sexta-feira, após supostos militantes roubarem o rifle do guarda-costas de um político local, Sheik Nasir, líder do Partido Democrático do Povo de Jammu e Caxemira (JKPDP). Uma operação de buscas foi lançada em seguida pelas autoridades.

    Ordens proibitivas também foram impostas à cidade de Srinagar, capital de verão do estado, a fim de manter a lei e a ordem durante as orações de hoje nas mesquitas.

    Tais restrições foram adotadas pela primeira vez em Jammu e Caxemira no último 5 de agosto, sendo posteriormente levantadas, em fases, ao longo de um determinado período. Elas fazem parte de uma decisão do governo indiano de revogar o status especial da região, por motivos de segurança. 

    ​Algumas lojas e estabelecimentos comerciais continuam fechados, enquanto o movimento no transporte público é quase insignificante. Os serviços de Internet também permanecem suspensos, mas os serviços de telefone fixo voltaram ao normal. 

    Localizada no norte da Índia, a Caxemira é uma região historicamente disputada com o Paquistão, impasse que já provocou uma série de conflitos entre os dois países desde 1947, ano em que se tornaram independentes do Império Britânico.

    Mais:

    Troca de tiros entre Índia e Paquistão em Caxemira deixa ao menos 1 morto
    Paquistão promete 'resposta mais completa possível' à Índia na Caxemira
    Ministro do Paquistão comete gafe e chama Caxemira de 'estado indiano'
    Ministro detona 'elite dominante' do Paquistão pela Caxemira: 'destruiu o país'
    Tags:
    Srinagar, Reino Unido, Jammu e Caxemira, Nova Deli, Paquistão, Índia, Caxemira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar