19:04 11 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Polícia de Hong Kong usando gás lacrimogênio contra manifestantes

    Cuba condena intromissão nos assuntos internos da China na questão de Hong Kong

    © REUTERS / Tyrone Siu
    Ásia e Oceania
    URL curta
    671
    Nos siga no

    A chancelaria de Cuba condenou qualquer tentativa de ingerência nos assuntos internos da China, especificamente na Região Administrativa Especial de Hong Kong.

    "Cuba condena a ingerência nos assuntos internos da China na Região Administrativa Especial de Hong Kong e qualquer tentativa contra a integridade territorial e soberania chinesas", escreveu o chanceler Bruno Rodríguez Parrilla em sua conta do Twitter. O ministro também ressaltou sobre seu "total apoio ao princípio de 'uma só China'".

    O Ministério das Relações Exteriores de Cuba emitiu uma declaração oficial onde expressa sua preocupação quanto às "manifestações violentas e vandalismo em Hong Kong, promovidos do exterior, que tentam afetar a ordem política, econômica e social, além de gerar insegurança na República Popular da China".

    O documento divulgado pela chancelaria da ilha condena "qualquer tentativa de afetar a integridade territorial e a soberania da China".

    A declaração cubana surge depois que o governo chinês acusou os EUA de estarem por trás do conflito e das manifestações em Hong Kong.

    Recentemente, os congressistas americanos Chuck Schumer, senador democrata de Nova York, e Cory Gardner, senador do Colorado, expressaram seu "desacordo" sobre as detenções ocorridas durante os distúrbios em Hong Kong. Os porta-vozes do gigante asiático qualificaram as declarações como uma intromissão nos assuntos internos da China.

    A chancelaria chinesa também refutou as críticas procedentes da União Europeia relativamente aos conflitos em Hong Kong, e pediu respeito pela soberania de seu país.

    Polícia de Hong Kong detém um manifestante
    © AFP 2019 / Lillian Suwanrumpha
    Polícia de Hong Kong detém um manifestante

    A declaração do Ministério das Relações Exteriores cubano defende os esforços de Pequim e das autoridades locais de Hong Kong "para reverter esta situação, preservar a paz e restabelecer a estabilidade".

    Até o momento, na sequência dos violentos protestos que se iniciaram em junho, já foram presas 1.187 pessoas. Os manifestantes protestavam contra um projeto de reforma da lei de extradição na ex-colônia britânica, que faz parte da China desde junho de 1997.

    Mais:

    Pelo menos 15 policiais ficam feridos em confrontos com manifestantes em Hong Kong
    China ataca Taiwan por oferta de asilo a manifestantes de Hong Kong
    Consulado do Canadá em Hong Kong proíbe viagens de funcionários à China continental
    Tags:
    EUA, intromissão, ingerência, protestos, Hong Kong, Cuba, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar