11:37 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    O país propôs a criação de um órgão neutro para realizar uma investigação justa do acidente do voo MH17 na Ucrânia, afirmou o primeiro-ministro da Malásia, Mahathir bin Mohamad.

    O primeiro-ministro afirmou ainda que propôs que o novo órgão seja composto por especialistas de diferentes países e que tenham experiência em casos de acidentes aéreos.

    "Precisamos de um órgão verdadeiramente neutro que possa realizar a investigação", disse o líder malaio à Sputnik.

    "O tipo de míssil pode ser determinado e os destroços do avião podem dizer que parte foi atingida, porém, quem disparou? É difícil para nós acreditarmos que eles possam estabelecer quem disparou o míssil", ressaltou Mohamad.

    Mohamad disse que no seu país não acredita que haja provas suficientes para acusar a Rússia do que aconteceu.

    O líder também observou que está disposto a analisar as provas do investigador particular alemão Josef Rech, que investigou o caso do MH17 e se ofereceu para entregar as evidências ao gabinete do procurador holandês, oferta que foi recusada.

    Foto tirada durante reconstrução na Holanda do voo MH17
    © Sputnik / Maxim Blinov
    Foto tirada durante reconstrução na Holanda do voo MH17

    "Até agora, nosso governo não entrou em contato com ele. Porém, foi publicado e há rumores de que havia outro avião ao mesmo tempo e no mesmo lugar. Tudo isso gera dúvidas e desconfiança sobre as provas utilizadas pela Equipe de Investigação Conjunta. Portanto, ficaríamos encantados em ouvir quem quer que tenha dados e provas que haja sobre o ocorrido", concluiu.

    Em 17 de julho de 2014, o avião que fazia o voo MH17 da companhia Malaysia Airlines foi atingido por um míssil quando sobrevoava a província de Donetsk, no leste da Ucrânia, zona de enfrentamentos entre as tropas ucranianas e os independentistas. Todos os ocupantes da aeronave perderam a vida.

    Em março do ano passado, um ex-agente da inteligência ucraniana, Vasili Prozorov, acusou seu governo de ter provocado a queda do voo MH17.

    Uma investigação realizada pela Rússia estabeleceu que o míssil que derrubou o voo MH17 pertencia ao Exército ucraniano.

    Entretanto, especialistas da Holanda, Malásia, Austrália, Bélgica e Ucrânia afirmam que o projétil supostamente pertencia ao Exército russo e que havia sido transportado previamente para o território ucraniano, para uma área controlada pelas milícias de Donbass.

    Mais:

    Donetsk denuncia violações da nova trégua em Donbass
    Donetsk denuncia chegada de trem com substância altamente tóxica a Donbass
    Ucrânia estaria planejando ofensiva de larga escala contra República Popular de Donetsk
    Tags:
    Malásia, Ucrânia, investigação, míssil, incidente aéreo, acidente aéreo, avião
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar