03:34 21 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5132
    Nos siga no

    Diplomata disse que seu país não receberá mísseis balísticos norte-americanos de médio alcance. Declaração prossegue a fala de líder do Pentágono sob a necessidade de deslocar mísseis para a Ásia.

    Em dois de agosto, os Estados Unidos e a Rússia encerraram formalmente o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, mais conhecido como Tratado INF. O tratado, assinado entre os Estados Unidos e a União Soviética, restringia o desenvolvimento, produção e implantação de mísseis terrestres que tivessem alcance entre 500 e 5.500 quilômetros .

    Após o fim do tratado, o medo de uma nova corrida armamentista surgiu no horizonte. Tal receio foi reforçado quando o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, declarou que, após o fim do tratado, buscaria de maneira imediata um local na Ásia para a instalação de mísseis de médio alcance.

    Esper também ressaltou a necessidade de conversar com os aliados de Washington na região do Pacífico.

    No entanto, rechaçando qualquer possível pedido dos Estados Unidos, o embaixador da Austrália na Rússia, Graeme Meehan, disse à Sputnik que seu país não irá abrigar mísseis americanos.

    "Tanto nosso ministro da Defesa quanto nosso primeiro-ministro, Scott Morrison, disseram que não vamos abrigar [esses mísseis]. É óbvio que não posso prever o que um novo governo fará daqui a uns cinco ou dez anos. Porém, o atual primeiro-ministro disse que não aceitaremos. Isso é uma resposta clara e determinada", disse o embaixador à Sputnik.

    Tensões

    Os Estados Unidos culparam a Rússia de não observar o Tratado INF. No entanto, Washington testou um míssil banido pelo acordo no último dia 19, duas semanas após o fim oficial do Tratado, o que significa que o seu desenvolvimento e produção ocorreram quando o tratado ainda estava em vigor.

    Além disso, o secretário do Exército dos Estados Unidos, Ryan D. McCarthy, disse que seu país busca desenvolver mísseis hipersônicos com ogivas balísticas.

    Mais:

    'Não permitiremos que nos envolvam na corrida armamentista': Moscou comenta teste norte-americano
    Estarão EUA perdendo hegemonia estratégica no Pacífico para China?
    China responde aos EUA: é absolutamente claro quem mina estabilidade na Ásia-Pacífico
    Tags:
    Pacífico, Austrália, EUA, míssil balístico, Tratado INF
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar