15:46 27 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    261
    Nos siga no

    A Índia mantém seu compromisso de não usar armas nucleares a não ser que sofra um ataque do mesmo tipo anteriormente, mas a política futura dependerá da situação, disse o ministro da Defesa nesta sexta-feira (16).

    A Índia declarou-se uma potência nuclear depois de realizar testes subterrâneos em 1998 e o rival Paquistão respondeu com seus próprios testes pouco tempo depois. Desde então, especialistas nucleares dizem que os rivais vêm desenvolvendo armas nucleares e mísseis.

    Em visita a Pokhran, no oeste da Índia, o local dos testes nucleares, o ministro da Defesa, Rajnath Singh, prestou homenagem ao ex-primeiro-ministro e reverenciado líder dos nacionalistas hindus, Atal Behari Vajpayee, por transformar a Índia em uma potência nuclear.

    "Pokhran é a área que testemunhou a firme decisão de Atal Ji de tornar a Índia uma potência nuclear e ainda assim permanecer firmemente comprometida com a doutrina de 'não utilizar primeiro'", afirmou. "A Índia aderiu estritamente a essa doutrina. O que acontece no futuro depende das circunstâncias."

    Na época dos testes, a Índia disse que precisava de um elemento de dissuasão contra a China, mas há muito tempo se preocupava com as capacidades nucleares do Paquistão.

    A fala do ministro indiano ocorre em meio a tensões com o Paquistão por conta da Caxemira. A Índia revogou o status especial da região, que já causou duas das três guerras entre os dois países.

    Mais:

    Nova onda de tensões: Índia cancela estatuto especial de Caxemira apesar de protesto paquistanês
    Exército Indiano frustra tentativa de infiltração de esquadrão paquistanês na Caxemira
    Paquistão promete luta na 'arena internacional' pela Caxemira
    Irã insta governo indiano a tomar medidas na Caxemira
    China pede que o Conselho de Segurança da ONU discuta Caxemira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar