12:36 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Duterte testa os armamentos

    'Estúpidos': Duterte ironiza tribunal da ONU que julga execuções extrajudiciais nas Filipinas

    © Foto / REUTERS/Romeo Ranoco
    Ásia e Oceania
    URL curta
    540
    Nos siga no

    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, recusou-se a cooperar com um tribunal de direitos humanos da ONU, dizendo que, se ele for submetido a julgamento por causa de sua "Guerra às Drogas", teria que ser nas Filipinas.

    O Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou uma resolução na última quinta-feira para investigar supostos abusos de direitos humanos pelo governo de Duterte como parte da "Guerra às Drogas" de Manila. A medida foi introduzida pela Islândia a 48 membros, levando Duterte a considerar cortar laços com a nação nórdica.

    Em uma entrevista a um pastor das Filipinas, Apollo Quiboloy, na quarta-feira, Duterte declarou que nunca reconheceria a autoridade da organização da ONU.

    "Vou apenas enfrentar, ser julgado ou enfrentar um julgamento em um tribunal filipino, presidido por um juiz filipino [e] processado por um filipino", garantiu. Duterte descreveu a instituição de direitos humanos da ONU como "estúpida" por esperar que ele respondesse a um ocidental.

    "Eu não vou responder a um caucasiano [...] Você deve ser estúpido. Quem é você? Eu sou um filipino. Nós temos nossos tribunais", prosseguiu.

    O movimento da ONU não surgiu do nada. Como parte de sua guerra contra as drogas, as forças de segurança de Duterte se envolveram em milhares de assassinatos extrajudiciais e outros abusos, de acordo com organizações ocidentais de direitos humanos. Ele também se envolveu em polêmicas com a comunidade LGBT e com a Igreja Católica.

    "As políticas do presidente Duterte - que incluem diretamente o incentivo ao assassinato ilegal - viram milhares de pessoas assassinadas com total impunidade em meio à crescente falta de lei, com execuções extrajudiciais em casas e nas ruas do país acontecendo diariamente", disse Rachel Chhoa Howard, pesquisadora da Anistia Internacional nas Filipinas.

    A Anistia até pediu que Duterte fosse investigado por crimes contra a humanidade. Walden Bello, um ex-membro da Câmara dos Deputados das Filipinas e agora um acadêmico nos EUA, descreveu Duterte como um fascista.

    "Provavelmente nenhuma personalidade fascista desde que Hitler usou o mandato de uma pluralidade nas urnas para remodelar a arena política de forma mais rápida e decisiva do que Duterte em 2016", escreveu Bello na revista The Nation em 2017.

    Uma pesquisa divulgada no início do mês mostrou popularidade recorde para o presidente, com 80% dos filipinos e filipinas aprovando seu desempenho - quebrando a aprovação recorde que ele estabeleceu em junho de 2017 e repetindo em março deste ano - com apenas 12% de insatisfeitos.

    Mais:

    'Idiotas': Duterte volta a atacar tribunal que questiona sua letal guerra contra as drogas
    'Só uma desculpa para fumar': Duterte descarta permitir maconha medicinal nas Filipinas
    Duterte lança alerta contra a China e sua meta de 'declarar propriedade de um oceano'
    Tags:
    violência, execuções extrajudiciais, tráfico de drogas, direitos humanos, ONU, Rodrigo Duterte, Islândia, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar