04:28 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento do míssil balístico intercontinental norte-coreano Hwasong-15

    Pentágono reconhece que mísseis da Coreia do Norte podem alcançar território continental dos EUA

    © AP Photo / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    18201

    Os mísseis da Coreia do Norte podem alcançar território continental dos EUA, reconhece o Pentágono. O míssil balístico norte-coreano Hwasong-15 pode voar quase 13.000 quilômetros e seria o primeiro capaz de alcançar os EUA.

    As Forças Armadas estadunidenses na Coreia do Sul (USFK, na sigla em inglês) afirmaram esta semana que o míssil intercontinental Hwasong-15 da Coreia do Norte poderia alcançar qualquer parte continental dos EUA.

    O , de acordo com um artigo da revista anual Strategic Digest 2019, publicada em conjunto pelas USFK, e pelo Comando de Forças Conjuntas, ao qual a agência Yonhap teve acesso.

    Míssil balístico norte-coreano Hwasong-15, é capaz de alcançar qualquer parte do território dos EUA.

    Este seria o primeiro míssil capaz de colocar o território dos EUA dentro do alcance da Coreia do Norte, depois dos testes realizados pelo país asiático no fim do ano passado.

    No entanto, o Hwasong-15 não seria o único disponível. A edição menciona mais dois tipos de mísseis, o Hwasong-13, com o alcance estimado de 5.500 quilômetros, e o Hwasong-14, capaz de voar a uma distância de 12.874 quilômetros.

    Apesar do desmantelamento da base de testes de mísseis e da destruição das instalações para testes nucleares ordenados pelo líder norte-coreano Kim Jong-um, "ainda falta muito trabalho para atingir o objetivo final", ou seja, a desnuclearização completa e verificável, concluem as USFK no artigo publicado.

    Mais:

    Seul: 'Não há nenhuma chance da Coreia do Norte desistir de suas armas nucleares'
    'Progresso significativo': Coreia do Sul elogia fim de testes nucleares de Pyongyang
    Tags:
    EUA, armamento, Coreia do Norte, míssil balístico intercontinental
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar