04:06 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes marcham no centro da cidade contra uma proposta emenda às leis de extradição em Hong Kong. Caso aprovada, a lei permitirá a extradição para fora do país, incluindo a China continental.

    China critica Reino Unido e EUA por 'interferência grosseira' em protestos de Hong Kong

    © AP Photo / Vincent Yu
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1283
    Nos siga no

    A China advertiu o Reino Unido e os EUA contra a intromissão em seus assuntos internos depois que políticos ocidentais apoiaram manifestantes em Hong Kong, que entraram em confronto com a polícia quando invadiram o Parlamento da cidade.

    O Escritório de Assuntos de Hong Kong e Macau de Pequim criticou a Grã-Bretanha, juntamente com os EUA e a União Europeia (UE), por sua posição sobre os protestos de Hong Kong nesta terça-feira.

    A agência chinesa exigiu que "os países relevantes parem imediatamente de fazer declarações falsas e ações que prejudiquem a segurança nacional da China e a prosperidade e estabilidade de Hong Kong".

    O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Geng Shuang, entretanto, expressou "forte insatisfação e oposição resoluta à interferência grosseira de um país nos assuntos de Hong Kong e nos assuntos internos da China".

    "Mais uma vez, alertamos [todos] os países a serem cuidadosos e a não interferirem nos assuntos internos de Hong Kong de forma alguma", declarou.

    Geng havia declarado anteriormente que a Grã-Bretanha não tem "a chamada responsabilidade" por sua antiga colônia de Hong Kong e pediu que Londres "conheça seu lugar" e pare de se intrometer nas tensões de lá.

    Mais de um milhão de pessoas começaram a marchar e realizar um protesto no centro de Hong Kong no final de junho, denunciando um projeto de lei que já havia sido suspenso e que permitiria a extradição de moradores para a China continental.

    Polícia durante confrontos com manifestantes em Hong Kong, China
    © AFP 2019 / Isaac Lawrence
    Polícia durante confrontos com manifestantes em Hong Kong, China

    Os protestos pacíficos se transformaram em confrontos esporádicos com a polícia, que culminou na segunda-feira quando os manifestantes invadiram o prédio do Parlamento da cidade. A manifestação coincidiu com o aniversário da chegada da Grã-Bretanha a Hong Kong em 1997.

    O secretário de Relações Exteriores britânico, Jeremy Hunt, apoiou os manifestantes, dizendo que o apoio de Londres à cidade e "suas liberdades são inabaláveis".

    "Nenhuma violência é aceitável, mas as pessoas devem manter o direito ao protesto pacífico exercido dentro da lei, como centenas de milhares de pessoas corajosas mostraram hoje", escreveu Hunt no Twitter na segunda-feira.

    Uma postura semelhante foi tomada por Washington. O presidente Donald Trump, que se reuniu com o líder chinês Xi Jinping no evento do G20 no Japão no fim de semana, afirmou que os manifestantes em Hong Kong estão "procurando democracia".

    "Eu acho que a maioria das pessoas quer democracia. Infelizmente, alguns governos não querem democracia", alfinetou.

    Já Bruxelas, cidade-sede da UE, pediu a todos os lados que "exercitem a moderação" e "se engajem em diálogo e consulta" para desarmar a crise.

    Mais:

    Porta-aviões dos EUA poderia ter causado caos eletrônico em Hong Kong
    População de Hong Kong protesta contra extradição de manifestantes à China
    Lei de extradição leva até 1 milhão de manifestantes às ruas de Hong Kong
    Tags:
    democracia, protestos, Jeremy Hunt, Donald Trump, União Europeia, Bruxelas, Reino Unido, Estados Unidos, Hong Kong, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar