21:29 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Russian S-400 Triumph missile system launchers are pictured during combat duty at an air defence unit of the Baltic fleet in Kaliningrad region, Russia

    EUA podem sancionar Índia por compra de S-400 como 'exemplo' para Turquia, diz analista

    © Foto /
    Ásia e Oceania
    URL curta
    12213
    Nos siga no

    O ressurgimento da perspectiva de a Índia sofrer sanções sob a Lei de Contenção de Adversários da América Através de Sanções (CAATSA) “pode ser interpretada como forma de marcar posição contra a compra dos sistemas S-400 pela Turquia”, observou um analista indiano.

    A ameaça dos EUA à Índia de "sérias implicações" sob o CAATSA foi novamente reacendida. Em outubro passado, citando necessidades relativas à proteção e segurança nacional, a Índia assinou um acordo de US $ 5,43 bilhões com a Rússia pela compra de S-400, mesmo sob ameaças do lado norte-americano. Desde então, a disputa entre os dois países ficou mais quente após a Índia justificar a decisão como um sinal de "uma política independente".

    Os americanos já se encontram em desacordo com a Turquia, que também compra o sistema de mísseis de defesa aérea S-400 da Rússia. Para o pesquisador do Centro de Mumbai da Observer Research Foundation, Kashish Parpiani, o governo da Índia deve proteger seus interesses enquanto Washington tenta refrear Ancara.

    "Apesar de ações recentes dos EUA como a suspensão da Turquia do programa F-35 terem levado a Ancara a optar pelo sistema russo em detrimento do sistema Patriot, a exceção tácita de Washington para a Índia pode levantar questões sobre sua credibilidade", observou Parpiani, especialista em estratégias militares dos EUA e suas respectivas relações entre civis e militares.

    Washington tem pressionado Ancara a abandonar seu plano de compra de S-400 SAMs, adquirido após acordo assinado com a Rússia em dezembro de 2017. Os EUA ameaçaram suspender a entrega de jatos F-35 encomendados pela Turquia e até expulsar o país da Otan caso se recuse a cumprir a demanda.

    "Os EUA parecem estar tentando garantir que sua exceção tácita à Índia não atrapalhe suas tratativas na Turquia. No passado, havia evidências de que os EUA enfrentavam desafios de política externa devido às suas exceções para a Índia", acrescentou Parpiani.

    Em julho passado, a "autoridade de renúncia modificada", ou emenda à Seção 231 da CAATSA proposta pelo Congresso, permitiu que o Presidente renunciasse às sanções em determinadas circunstâncias, por seis meses de cada vez aos aliados dos EUA, como Índia, Indonésia e Vietnã.

    O primeiro sistema S-400 deverá se juntar à Força Aérea Indiana em outubro de 2020, enquanto os quatro restantes chegarão em 2023. O sistema SAM pode destruir aeronaves hostis, mísseis e até drones em alcance de até 400 km.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar