18:58 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Teste de mísseis efetuado pela Coreia do Norte em 4 de maio

    Coreia do Norte: desistir de lançar mísseis é desistir da autodefesa

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4170

    A Coreia do Norte realizou lançamentos de mísseis no início de maio, incluindo testes de mísseis de curto alcance. O assessor de segurança nacional dos EUA, John Bolton, disse que Pyongyang havia violado as resoluções da ONU.

    A Agência Central de Notícias da Coreia do Norte (KCNA) escreveu nesta segunda-feira, citada pela Reuters, que Bolton estava errado em suas "conclusões", ressaltando que "desistir de testes de mísseis" significaria "abrir mão do direito de autodefesa".

    Um comunicado divulgado pela KCNA citava um representante do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte. A fonte anônima teria afirmado que Bolton, assessor de segurança nacional dos EUA, é um "fanático da guerra", segundo relato da Reuters. Além disso, o funcionário coreano acusou Bolton de estar trabalhando para destruir a paz e a segurança.

    Neste domingo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, minimizou os recentes lançamentos de mísseis de Pyongyang, dizendo que "a Coreia do Norte disparou algumas pequenas armas, o que perturbou alguns do meu povo e alguns outros, mas não eu". Trump disse ter confiança de que o líder do país asiático manteria sua promessa de desnuclearizar a península coreana.

    Desde 2018, a Coréia do Norte tem se envolvido em negociações de desnuclearização com os Estados Unidos. O líder norte-coreano Kim Jong Un e o presidente dos EUA, Donald Trump, expressaram seu compromisso com a desnuclearização da Península Coreana em sua primeira reunião bilateral em Cingapura, em junho passado.

    Os dois líderes se encontraram pela segunda vez no Vietnã, em fevereiro. No entanto, suas conversações terminaram abruptamente sem qualquer declaração ou acordo, quando não conseguiram chegar a um consenso sobre o que cada lado estava disposto a comprometer para garantir um acordo.

    Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte disse na sexta-feira que Pyongyang culpa Washington pelo fracasso da cúpula de Hanói e que se recusa a retomar as negociações até que os Estados Unidos mudem sua posição sobre a Coreia do Norte. Segunod ele, Pyongyang deu passos significativos para aliviar as tensões, mas enfrentou demandas impraticáveis ​​de Washington.

    Mais:

    EUA desenvolvem mísseis que poderiam 'fritar' eletrônica militar da Coreia do Norte e Irã
    EUA e Rússia 'compartilham o mesmo objetivo' na Coreia do Norte, diz Pompeo
    Coreia do Norte mostra nova artilharia autopropulsada em ação (FOTOS)
    EUA mantêm 'porta aberta' para dialogar com Coreia do Norte, diz diplomata
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar