17:22 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Porta-aviões norte-americano Theodore Roosevelt no mar do Sul da China

    Almirante americano insta Austrália e Indonésia a conterem Pequim no mar do Sul da China

    © AP Photo/ Bullit Marquez
    Ásia e Oceania
    URL curta
    905

    O almirante John Richardson, chefe das operações navais dos EUA, encorajou as forças marítimas da Austrália e Indonésia a intensificarem ações na tão disputada região do mar do Sul da China.

    "Penso que cada nação terá de avaliar a situação e a sua abordagem. Mas, em algum momento, as marinhas devem começar a agir, estar presentes e oferecer oportunidades para seus líderes. Como eles decidem fazer isso depende da sua abordagem nacional e soberana", disse ele em entrevista ao Sydney Morning Herald.

    A este respeito, Richardson destacou a Austrália e a Indonésia, elogiando-as pela sua adesão a uma ordem internacional baseada em regras. A Indonésia não reivindica nenhuma das ilhas em disputa no mar do Sul da China, mas quer soberania sobre parte daquilo a que chama o mar do Norte de Natun, parte do qual também reivindica a China.

    A Austrália também não tem reivindicações relacionadas ao mar do Sul da China, mas tem apelado constantemente a todos os países para que tenham livre acesso à região.

    "Onde vemos oportunidades de trabalho conjunto, treinamento conjunto e presença conjunta, que são coisas que estamos sempre buscando, acredito eu, [...] com essas duas marinhas", acrescentou Richardson.

    Comentando as missões de "liberdade de navegação" dos EUA na área, Richardson disse que elas "definitivamente não eram para ser provocadoras".

    "Isso é parte de como os EUA demonstram seu forte apoio a uma ordem baseada em regras", disse ele. A declaração do almirante sucede "forte oposição" da China, expressa na semana passada, à passagem de dois destróieres americanos carregando mísseis guiados perto das ilhas Spratly, reivindicadas por Pequim no mar do Sul da China.

    Pequim acusou repetidamente os EUA de estarem provocando no mar do Sul da China e alertou o país contra o envio de navios e aviões militares para perto das ilhas e recifes reivindicados por ela. Os EUA têm enviado repetidamente navios de guerra através do mar do Sul da China, uma hidrovia estratégica, como parte do que Washington chama de "liberdade de navegação".

    Pequim, que reivindica 90% do mar do Sul da China, por sua vez, advertiu Washington contra "ações que minam a soberania da China". A China controla agora a grande maioria das ilhas, recifes e cardumes na área, o que também é reivindicado pelas Filipinas, Vietnã, Brunei, Malásia e Taiwan.

    Mais:

    EUA e China 'irão se encontrar cada vez mais no mar', diz comandante da Marinha dos EUA
    Tensão crescente: bombardeiros dos EUA voam perto do mar do Sul da China
    EUA serão culpados se conflito com Pequim ocorrer no mar do Sul da China, diz pesquisador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar